Pesquise no Flamengo Eternamente

Pesquisa personalizada

domingo, 16 de agosto de 2015

A HISTÓRIA SE REPETE

Tomamos o quinto gol consecutivo em cruzamentos sobre a nossa área. Pra variar zagueiros mal colocados e adversários desmarcados.

Mais uma vez dominamos a maior parte do jogo, mas não transformamos este domínio em gols e perdemos.

E o pior é que o Palmeiras vinha mal das pernas, sem vencer há três rodadas.

Seria a nossa chance de ganharmos dos Porcalhões, em São Paulo.

Por que a história se repetiu (e não é a primeira vez)?

Porque nossos atacantes erram o último passe ou finalizam errado.

Porque nossa defesa é fraquíssima. 

O goleirinho César é inseguro, se coloca mal e não sai da pequena área, 

O Samir, depois que ficou um período em inatividade, parece que esqueceu como se joga. E era nosso melhor zagueiro... 

César Martins, para mim, ainda é uma piada, assim como Pará. Só se salva o Jorge.
Cristóvão continua escalando mal e substituindo errado

Tomamos um gol do Palmeiras logo aos seis minutos, após a cobrança de um córner, de novo.

A partir daí, só deu Mengão, mas nada de gol, pois as jogadas também não eram bem organizadas.

Que falta fez o Canteros, suspenso... Seria a melhor opção para a transição da defesa para o ataque.

No intervalo, o técnico Cristóvão Borges conseguiu fazer uma substituição, que foi desastrosa e ao mesmo tempo corretíssima.

Ele tirou o Jonas, nosso melhor marcador, e colocou o Ederson, que deveria ter começado o jogo, já que havia feito uma boa estreia diante do Atlético Paranaense.

Conclusão: viramos o jogo com dois gols exatamente do Ederson, concluindo duas boas jogadas de Emerson Sheik.

Tínhamos tudo para abrir uma boa vantagem mas nossa defesa começou a dar mole.

Diante da nossa zaga só o fraco Márcio Araújo, com pouquíssima ajuda do Alan Patrick, que estava mais preocupado em apoiar o ataque, que já tinha Emerson, Everton, Ederson e Guerrero.

Depois que o Palmeiras revirou, fazendo 3 x 2, o Cristóvão, em vez de tirar o Everton, por exemplo, que já estava cansado, e colocar alguém para ajudar a defesa, decidiu crucificar o Samir e colocar o Marcelo, que é um zagueiro irregular.

Trocou seis por meia dúzia, como dizia minha avó.

Vocês lembram do Alecsandro? Devem lembrar. O mesmo que eu citei na coluna passada, criticando a diretoria do Fla por tê-lo liberado para o Palmeiras?

Pois é... Como fui xingado por meia dúzia de rubro-negros, que tudo entendem de futebol, por ter reclamado sua saída.

Não é que o Alecsandro, jogou bem demais e ainda acabou deixando seu golzinho, fechando o placar em 4 x 2? 

Tá bom. Vamos "chorar".

Tivemos dois pênaltis não marcados a nosso favor: no Pará (duvidoso) e um escancarado em cima do Guerrero.

E por falar em Guerrero, tudo bem que é um grande centroavante sabe se colocar, sabe segurar a bola, dá bons passes e finaliza como poucos, mas não sabe driblar e anda reclamando muito.

Acho que, apesar do deslumbre, ainda não entendeu o que é ser jogador do Flamengo. Ainda não sabe a importância de vestir o Manto Sagrado.

O Guerrero precisa entender que o Flamengo não é a Seleção do Peru, que não almeja nada no futebol e se conforma em ganhar um joguinho aqui e outro ali.

Tá faltando sangue rubro-negro.

Tô achando ele muito apático.

Não lembram daquele anúncio? "Não basta ser pai. Tem que participar".

Parodiando... "Não basta ser bom e jogar no Flamengo. Tem que ter raça!"

PASCHOAL AMBRÓSIO FILHO   

Nenhum comentário: