Pesquise no Flamengo Eternamente

Pesquisa personalizada

quinta-feira, 5 de março de 2015

Aprenda a Obter Renda Extra Enquanto Assiste aos Jogos do Mengão Com Método Revolucionário e de Fácil Aprendizado


Com Lucro de Até R$ 2.300,00 No Primeiro Mês, mais de 1048 Alunos Estão Ganhando Dinheiro Com 

Futebol, Aplicando OS SEGREDOS Revelados Pelo Mestre em Trading Esportivo Juliano Fontes. Você Vai Ficar de Fora?

Uma nova forma de GANHAR DINHEIRO vem chamando a atenção dos apaixonados por futebol. Você já ouviu falar em “Trading Esportivo”?

Pois bem, “O trading esportivo é uma maneira diferenciada de ganhar dinheiro, fazendo operações de compra e venda de resultados em jogo de futebol, como se fosse um mercado de ações, porém MUITO MAIS SIMPLES E FÁCIL DE APRENDER. Esse mercado é gigantesco no exterior e aqui no país do Futebol quase ninguém conhece ainda, o que gera uma excelente oportunidade para você sair na frente. É importante ressaltar que esse mercado nada tem a ver com pirâmides financeiras”, afirma Juliano Fontes, investidor e professor de trading esportivo.

Profissional no ramo há 6 anos, Juliano Fontes tem como ritual ligar o computador, ler as notícias dos times, decidir em qual jogo vai trabalhar, fazer investimentos, ganhar dinheiro e depois tirar o dia para comemorar.

Juliano Fontes possui atualmente 1048 alunos que fazem parte de seu centro de estudos na internet e que já começaram a ganhar dinheiro com futebol. Ele ensina torcedores a obterem renda extra em casa, assistindo a jogos de futebol de seus times favoritos ou qualquer outro jogo que queiram investir, sejam jogos nacionais ou internacionais.

Mais divertido e rentável, as operações de trading são feitas na maior bolsa esportiva do mundo, a Betfair. Qualquer pessoa pode começar nesse mercado e uma das grandes promessas do Juliano é que você pode iniciar com apenas R$ 300,00 e chegar a R$ 2.000,00 sem risco nenhum! Basta conhecer as casas certas de trading, acumular os bônus oferecidos e começar a fazer suas transações.

“Eu nunca imaginei que poderia ganhar Dinheiro com meus conhecimentos de futebol e logo no primeiro mês consegui ganhar R$ 2.100,00 com um método extremamente confiável e de fácil entendimento” (André Lemos, aluno).

"É claro que não existe mágica. Você precisa estudar, mas se você souber o jeito certo de fazer, a coisa fica simples e muito lucrativa, sendo exatamente isso que trato em meus cursos: macetes que aceleram o aprendizado e ganhos financeiros de meus alunos”, revela Juliano Fontes.

Como ele mesmo diz, "Incentivo as pessoas a trabalharem no que gostam e, com isso, evitar que passem pelas mesmas dificuldades que passei antes de alcançar meu sucesso financeiro. Como sei que começar sozinho não é fácil mesmo, resolvi criar uma turma online e ensinar tudo o que sei sobre o assunto, sem enrolação, e ajudar o máximo de pessoas a terem ótimos resultados, mesmo que estejam começando agora ou que nunca tenham ganhado dinheiro com futebol…”Juliano Fontes.

Para maiores informações, o interessado deve CLICAR AQUI e cadastrar seu email principal.

terça-feira, 3 de março de 2015

Alguns gols de Zico conta o Botafogo



Na semana do aniversário do nosso grande ídolo e maior artilheiro da história do Mengão Zico, que faz 62 anos no dia 3 de março, vou relembrar alguns gols do Galinho contra o Botafogo.
Zico marcou o primeiro gol contra o alvinegro carioca quando ainda jogava pelos juvenis do Flamengo (hoje equivalente à categoria de juniores). No dia 14 de março de 1971, Zico marcou um gol de pênalti no empate em 1 a 1 contra o Botafogo. Foi o primeiro dos 333 gols que Zico marcou no Maracanã, dando início a jornada que o tornou o maior artilheiro do Estádio Mário Filho. No mesmo ano, Zico marcou outro gol ainda na categoria juvenil na vitória por 1 a 0 contra o Botafogo.
Na campanha da conquista do Carioca de 1974, o primeiro título de Zico como profissional e titular do Mengão junto com craques como Júnior, Geraldo, Jaime, o Bota saiu na frente com dois gols de Nilson Dias, mas Zico marcou dois gols (sendo o primeiro de pênalti) e empatou o jogo.
 No Carioca de 1975, o Flamengo goleou o Bota por 4 a 0 com três gols de Zico e outro de Luisinho. Apesar da goleada, a torcida vaiou o time rubro-negro porque queria a forra de uma goleada de 6 a 0 que o Bota deu no Fla em 1972.
No Carioca de 1977, Rondinelli fez o primeiro gol do Fla e Zico marcou o segundo na vitória por 2 a 0 contra o Bota.
No Carioca de 1978, conquistado com o belo gol de cabeça de Rondinelli na vitória de 1 a 0 na final contra o Vasco após escanteio cobrado com perfeição pelo Galinho,  Zico fez o gol da suada vitória por 1 a 0 contra o Botafogo. Em linda jogada, Adílio deu passe para Zico, que esperou o goleiro alvinegro sair do gol e deu um toque por cima com classe e inteligência. Zico foi artilheiro do Campeonato Carioca desse ano com 19 gols.
No Campeonato Carioca de 1979 (Especial), Zico marcou em dois jogos contra o Bota. No primeiro, Zicão abriu o placar com um golaço que mostra a categoria do maior jogador e artilheiro da história do Mengão. Zico deu passe para Carpeggiani fazer o segundo e Luisinho fechou o placar na vitória por 3 a 0 contra o Bota. Com esse triunfo, o Flamengo conquistou o primeiro turno da competição de forma invicta. O Galinho também marcou no clássico contra o Bota realizado na última rodada do Campeonato Carioca (Especial), o primeiro Carioca a ser disputado naquele ano. O Flamengo entrou em campo já campeão pelo empate entre Flu e Vasco no dia anterior. Para sacramentar a conquista do Campeonato, o Fla empatou com o Bota em 2 a 2 com dois golaços de Zico. Gil e Luisinho Tombo marcaram os gols do Bota. Zico foi o artilheiro do Campeonato Carioca Especial de 1979 com 26 gols.
Houve outro Campeonato Carioca em 1979. Zico teve um desempenho espetacular, marcando 34 gols mesmo sem ter disputado o  terceiro turno, mas não fez gol contra o Bota. Entre 1978 e 1979, o Flamengo ficou invicto em 52 jogos e perdeu a invencibilidade exatamente ao ser derrotado pelo Botafogo por 1 a 0. Mesmo desfalcado de Zico, o Flamengo também venceu esse segundo Carioca daquele ano. O Flamengo  derrotou  o Vasco por 3  a 2  na penúltima rodada com trés gols de Tita .Na última rodada,  o Vasco ganhou do Flu e mesmo sem Zico e Tita, o Flamengo já entrou em campo campeão na partida contra o Bota, que terminou empatada em 0 a 0 encerrando a vitoriosa campanha rubro-negra;
Em 1981, na campanha em que o Mengão conquistou o Campeonato Carioca (ao vencer o Vasco no terceiro jogo da final por 2 a 1, com gols de Adílio e Nunes para o Fla), finalmente o Flamengo deu o troco da goleada de 6 a 0 sofrida para o Botafogo em 1972. Nunes marcou o primeiro gol rubro-negro. Adílio fez boa jogada e passou para Zico, que chutou para o gol, mas a bola bateu num adversário. No rebote, Zico chutou cruzado de perna esquerda e fez o segundo. Zico tocou para Júnior, Nunes tentou dar de letra e Lico marcou o terceiro gol de pé direito e Adílio decretou a goleada em cabeçada certeira ainda no primeiro tempo. O Galinho tocou para Adílio, que foi derrubado na área. O próprio Zico cobrou o  pênalti e marcou o quinto gol rubro-negro. Andrade fez o antológico sexto gol em um chute de fora da área e emocionou uma geração inteira que ficou nove anos com a goleada alvinegra pelo mesmo placar entalada na garganta.
Na Taça GB de 1982, o Flamengo venceu o Bota por 3 a 0. Leandro deu longo passe para Zico, que ficando sonzinho na área, chutou e abriu o placar. O Galinho fez o segundo de pênalti e Adílio fez o terceiro.
Na Taça Rio de 1989, Flamengo e Botafogo empataram em 3 a 3. Zico abriu o placar com belo gol de falta. Maurício empatou para o Bota. Renato Laércio e Alcindo fizeram os outros gols do Fla. Gonçalves — com gol contra— e Vitor empataram para o Bota.
Adorei pesquisar sobre os gols de Zico contra o Botafogo e saber mais sobre a história do nosso grande ídolo e do clássico Flamengo e Botafogo. Zicão, muito obrigada por todos os títulos que você conquistou com o Manto Sagrado, Parabéns, Zico! Desejo muita saúde, paz e alegria para você e sua família e que você tenha o triplo da felicidade que você deu à Nação Rubro-Negra!

Fontes:
Assaf, Roberto e Martins, Clóvis. Almanaque do Flamengo. São Paulo. Editora Abril : 2001.
__________, Coimbra, Arthur Antunes e Roger Garcia. Zico: 50 anos de futebol. Rio de Janeiro: Record, 2003.
Vaz, Arturo e Júnior, Celso. Acima de tudo rubro-negro: a história do C. R Flamengo. Rio de Janeiro: Paju Editora, 2008
________, e Filho, Paschoal Ambrósio. 100 anos de bola, raça e paixão: a história do futebol do Flamengo. Rio de Janeiro: Maquinária Editora: 2012.


segunda-feira, 2 de março de 2015

HORA DE ABRIR OS OLHOS

Ontem eu estava viajando e, por isso, não vim aqui neste cantinho falar minhas bobagens.

Bem, de cara, infelizmente, não vi o jogo, mas já soube que o Flamengo, dominou, jogou bem melhor e que merecia a vitória até com certa facilidade.

Mas, isso é futebol...

Para variar, os jogadores rubro-negros continuam deficientes no último passe e no chute a gol.

O Pofexô vai ter que colocar a galera pra treinar mais.

O gol, para mim, foi uma fatalidade.

Um chute muito forte, com a bola rebatendo na trave e indo, inesperadamente de encontro ao corpo do goleiro Paulo Victor.

Haja capacidade de reação e reflexo para evitar um gol destes!

Quase impossível.

Os jogadores do Botafogo, com o pior time do campeonato, pelo menos no papel, lidera.

O Flamengo, teoricamente o melhor elenco, em apenas uma rodada caiu da vice-liderança para o quinto lugar.

Sei que é chato perder para um timinho como o do Botafogo.

Só que os caras de lá estão mostrando muito mais vontade do que os caras de cá.

É a hora de abrir os olhos, Luxemburgo!

Ficar empatando com times pequenos é nisso que dá.

A palavra empate tem que sair de nosso repertório. 

Time pequeno a gente tem que atropelar.

A gente fica dando mole a vai acabar não se classificando para as semifinais (pé de pato, mangalô três vezes).

E depois, nos clássicos, dizem, "tudo pode acontecer".

O cacete!

O Flamengo tem a obrigação de ganhar de Fluminense e Vasco, que não estão lá estas coisas. 

Pra terminar, uma pequena crítica ao novo terceiro uniforme do Mengão.

O CRF tem que ser branco!

Vermelho ficou muito feio.

PASCHOAL AMBRÓSIO FILHO   

domingo, 1 de março de 2015

Lançamento Terceiro Uniforme 2015



@adidasbrasil está lançando o novo Terceiro Uniforme do Flamengo. O uniforme é uma releitura do Clássico modelo "Papagaio de Vintém", mas que ficou muito interessante. Para fazer o Lançamento do Modelo o MC Nego do Borel levou o Craque Marcelo Cirino para dar uma volta de Helicóptero pela Cidade Maravilhosa.

#meteamala
“Tá tudo dominado”

E aí, gostaram do que viram até agora?

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

AGRADEÇAM AO PARÁ DUAS VEZES

O bicho não era tão feio quanto pintavam.

O Brasil de Pelotas lotou seu pequeno estádio, a torcida gaúcha fez pressão e o time não foi nenhuma maravilha em campo. É uma equipe com poucos recursos técnicos.

No primeiro tempo, os flamenguistas acalmaram o jogo e souberam impor seu ritmo, o que esfriou o ímpeto inicial dos pelotenses.

O nosso primeiro gol foi de Alecsandro, que, numa jogada típica de centroavante ligadão, interceptou uma bola mal atrasada pelo zagueiro adversário e marcou.

Alecsandro comemora seu gol contra o Brasil de Pelotas
Alecsandro tem que ser titular desse time. É muito inteligente e combina muito com o Marcelo Cirino.

O Flamengo ganhou por 2 x 1, na estreia da Copa do Brasil, e poderia ter terminado a partida em 2 x 0, evitando o jogo de volta, dia 18 de março, no Maraca (é nosso).

Vai ser jogo fácil, molezinha, ainda mais se a galera rubro-negra comparecer.

E, por tudo isso que aconteceu, devemos agradecer duas vezes ao Pará, que jogou na lateral-esquerda.

O primeiro agradecimento foi pelo segundo gol do Flamengo. Ele pegou uma bola rebatida, depois de uma cobrança de falta, e, de longe, da intermediária, sem dar chutão, colocou no cantinho do goleiro adversário. Inapelável...

Para mim foi uma surpresa o gol de classe do Pará.

Isso foi aos 30 minutos do segundo tempo.

O Flamengo, que fazia 2 x 0 e não precisaria ter um jogo de volta, Eliminaria os pelotenses de cara.

Mas, não é que o Pará tinha que fazer uma lambança?

Durante o jogo todo, fora o gol, que foi bonito, esse cara não fez uma jogada de ataque...Minto, fez uma apenas, que ele cruzou em cima do adversário.

O segundo agradecimento que devemos fazer ao Pará foi uma falta desnecessária, na lateral-esquerda.

Como ele não presta atenção no que faz, é um bonde, estava sozinho, com a bola dominada, tranquila, não viu um adversário se aproximar para dar o bote e fez a falta.

Isso aos 48 minutos do segundo tempo.

A bola foi cruzada, o goleiro Paulo Victor não alcançou e Rafael Forster fez o gol de cabeça.

E o Luxemburgo ainda saiu de campo reclamando do juiz. Brincadeira, né?

A gente faz a merda no finalzinho e o árbitro é o culpado? Desta vez não...

Destaques do time foram o argentino Canteros (quase todo jogo é ele quem comanda a equipe em campo) e o Leonardo Moura, que mostrou porque vai embora do Flamengo como titular absoluto há 10 anos.

Vale registrar que hoje estreou o volante Jonas, que veio do Sampaio Corrêa, do Maranhão e entrou no meio do segundo tempo. Ainda é muito cedo para julgar, mas, apesar dos poucos minutos que atuou, mostrou personalidade e alguma qualidade.

Agora, é pensar nos Chorões Botafoguenses, a quem enfrentaremos no domingo. 

Se ganharmos deles (isso é o normal), assumimos a liderança do Cariocão.

Saudações à Nação!

PASCHOAL AMBRÓSIO FILHO   

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Henrique Frade

       Henrique Frade nasceu em 3/8/1934 e, segundo o livro 100 anos de bola, raça e paixão, de Paschoal Ambrósio Filho, Arturo Vaz e Celso Júnior, marcou 216 gols em 412 jogos pelo Flamengo entre 1954 e 1963, sendo o terceiro maior artilheiro da história do Clube. Era um camisa 9 clássico.
.Henrique veio para o Flamengo em 1954 e marcou seu primeiro gol pelo Flamengo num Fla-Flu realizado no mesmo ano em que o Mengão venceu por 5 a 2 (gols de Rubens, Índio, Henrique Frade , Genuíno e Evaristo de Macedo), conquistando o título do Torneio Internacional de Verão desse ano. (Fonte: www.flaestatística.com).
Henrique jogou o Torneio Rio-São Paulo de 1954 , 1955 e 1956 , além de vários amistosos.
Porém, Henrique não jogou nenhum jogo do Carioca de 1954 e 1955 e ficou na reserva.   Em abril de 1956, o Flamengo conquistou seu segundo tri carioca ( 1953-1954 e 1955 ) ao vencer o América por 4 a 1 no terceiro jogo da final com um gol de Duca e três gols de Dida.
Em 1956, num amistoso em que o Flamengo enfrentou o Sportklubenn Bann, pequeno clube norueguês, e o goleou por 12 a 1. Henrique marcou quatro gols. Babá, Evaristo e Rubens fizeram dois gols cada um.
         Segundo Ruy Castro, em 1957,  no livro O vermelho e o Negro (p. 81 do meu e-book), Fleitas Solich armou um ataque tão demolidor quanto o do segundo tri carioca: Joel, Moacir, Henrique, Dida e Zagallo, um dos mais fortes da história do Flamengo Henrique se firma como titular. .A partir da segunda metade da década de 50, Henrique começou a aparecer para a torcida do Mengão e conquistá-la  por ser um bom centroavante, artilheiro nato e ter muita raça. Mas  entre todos os cinco atacantes rubro-negros citados acima apenas Henrique não foi convocado para Copa de 1958 na Suécia, a primeira vencida pelo Brasil. Vale destacar que Babá também foi companheiro de Henrique no ataque rubro-negro.
     Porém , em 1959, Henrique fez o segundo gol do Brasil em uma partida contra a Inglaterra no Maracanã. Henrique fez quatro jogos e marcou dois gols pela Seleção entre 1959 e 1961.
Em 1958, o Flamengo fez boa campanha no Torneio-Rio São Paulo, mas acabou ficando em segundo lugar. Vale destacar algumas vitórias rubro-negras na competição . O Flamengo derrotou o São Paulo por 3 a 2 (com dois gols de Babá e um de Henrique para o Fla), venceu a Portuguesa por 4 a 2 (com gols de Henrique, Moacir, Babá e Luís Carlos), ganhou do Santos por 3 a 2 : o Santos saiu na frente com gols de Pepe e Pelé, mas o Mengão virou o jogo com gols de Henrique Frade, Dida e Duca. O Flamengo ainda goleou o Palmeiras por 6 a 2 com quatro gols de Henrique e dois de Dida.
    Em 1959, o Flamengo disputou o Torneio Hexagonal de Lima no Peru. No primeiro jogo, o time perdeu para o Peñarol por 2 a 0. Mas o Fla reagiu e venceu o Universitário de Lima por 2 a 0 com gols de Henrique e Moacir na segunda partida. No terceiro jogo, o Mengo derrotou o Colo Colo por 4 a 2 com um gol de Luís Carlos, um de Moacir e dois de Babá. Na quarta partida, o Fla venceu o River Plate por 4 a 1 com um gol de Luís Carlos, dois gols de Henrique e um de Babá e se classificou para a decisão contra o Alianza de Lima. Nesse jogo, o time peruano fez 3 a 0 aos nove minutos do segundo tempo. Mas o Mengão reagiu e fez quatro gols em oito minutos. Manuelzinho marcou três gols e um minuto após o empate Henrique fez o gol da virada e da conquista do título.
     No mesmo ano, Henrique foi artilheiro do Torneio Rio São Paulo com nove gols. Henrique marcou na vitória de 2 a1 contra a Portuguesa (Luís Carlos abriu o placar para o Fla e o camisa nove rubro-negro fez o segundo), na derrota de virada por 3 a 2 para o Santos (gols de Henrique e Dida para o Fla e de Pagão, Pelé e Pepe para o Peixe), na goleada de 7  a 2 contra o América (um gol de Babá, um de Dida, três de Henrique e dois de Luís Carlos, no chocolate de 5 a 1 contra o Corínthians (três gols de Henrique, um de Luis Carlos e um de Roberto para o Flamengo) e na vitória por 2 a 0 contra o Flu (gols de Henrique e Dida. Mas o Fla ficou em terceiro lugar na competição.
     Porém em  1961, a história foi outra: o Flamengo conquistou o Torneio Rio São Paulo. Em uma campanha de altos e baixos, e contando com craques como Joubert, Jordan, Gérson, Carlinhos, Dida, Henrique Frade e Joel, o Mengão venceu o São Paulo por 2 a 1 (gols de Dida e Babá) e o Palmeiras por 3 a 2 (com dois gols de Dida e um de Henrique Frade), mas perdeu para o Santos, Flu e Bota. Porém, o Flamengo reagiu e venceu a Portuguesa por 2 a 0 (gols de Dida e Babá), o América por 2 a 1 (gols de Carlinhos e Gérson), o Vasco também por 2 a 1 (gols de Gérson e Babá), o Palmeiras por 3 a 1 ( gols de Joel, Dida e Gerson ) e o Santos (desfalcado de Pelé ) por 5 a 1 (três gols de Gerson e dois de Dida). Na final contra o Corinthians, o Flamengo ganhou por 2 a 0, gols de Joel e Dida ,que marcou o segundo após o cruzamento  de Henrique,  sagrando-se campeão do Torneio. Com oito anos, Zico assistiu à decisão no Maracanã.
      Em 1963, Henrique deixou o Flamengo e foi para o Nacional do Uruguai, conquistando o Campeonato Uruguaio e o Torneio Competencia no mesmo ano.
       Em 1964, Henrique foi para a Portuguesa (SP) e passou a ser chamado de Henrique Frade porque a equipe paulista tinha um lateral esquerdo Henrique Pereira, sendo necessário usar o sobrenome para diferenciar os dois.
     Henrique Frade ficou na Lusa até 1965, quando foi para o Atlético-MG. Mas em 1966, o atacante voltou para a Portuguesa e também jogou pelo Formiga Esporte Clube, atuando como jogador até o ano seguinte .
    Desde 1997, Henrique teve problemas de locomoção devido a uma fratura mal calcificada em uma de suas pernas. Henrique faleceu em 2004.
     Gostei muito de pesquisar sobre a história de Henrique Frade, um dos maiores ídolos e artilheiros da história rubro-negra.
 Fontes:
http://www.flaestatistica.com/jogadores.html
Assaf, Roberto e Martins, Clóvis. Almanaque do Flamengo. São Paulo. Editora Abril : 2001..
Castro, Ruy. O vermelho e o negro. Edição revista e ampliada. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
Vaz, Arturo e Júnior, Celso. Acima de tudo rubro-negro: a história do C. R Flamengo. Rio de Janeiro: Paju Editora, 2008.
————— e  Filho, Paschoal Ambrósio. 100 anos de bola, raça e paixão: a história do futebol do Flamengo. Rio de Janeiro: Maquinária Editora: 2012.

Agradeço também a ajuda de Bruno Lucena.



segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

BRIGA DE HOLOFOTES

O Vanderlei Luxemburgo está irritado com toda essa onda que se formou por causa da saída do Leonardo Moura, que vai jogar nos Estados Unidos, ao final do Campeonato Carioca.

E todo esse nervosismo do técnico tem alguns motivos. Todos ligados à reação da maior parte da Nação Rubro-Negra:

1 - Leonardo Moura vestiu o Manto por 10 anos e é ídolo da torcida, que não está gostando de ver como o lateral-direito está sendo tratado. A renovação de contrato por apenas seis meses foi um absurdo, um desrespeito aos serviços prestados pelo jogador, e mostra, mais uma vez, a falta de sensibilidade e de sintonia entre nossa diretoria e a torcida.

2 - Em 10 anos não apareceu ninguém com capacidade de tirar a vaga do Moicano. E olha que tentaram bastante... E o cara já está com 36 anos... E ganhou tudo que podia pelo Flamengo, menos a Libertadores.

3 - O Luxembugo bota fé no Pará, esse bonde que veio do Grêmio e que a torcida já viu que não vai funcionar. Só se o Pará virar jogador de futebol e não ser apenas um trator desvairado.

4 - Nas coletivas, os jornalistas sempre perguntam alguma coisa sobre o Leonardo Moura, o que deixa o Vanderlei irritadíssimo. Ele está doido para que o Léo vá embora logo. 

5 - A torcida não pode ver o Leonardo Moura passar, se dirigindo para o banco de reservas, que começa a gritar o nome dele.

6 - O Pofexô não gosta de "dividir holofotes".

Leonardo Moura, um ciclo que termina
A diretoria do Flamengo ficou zangadinha porque ficou sabendo, pela imprensa, das negociações do lateral-direito com o soccer norte-americano, porque o jogador ainda tem contrato em vigor com o clube.

Já ouvi minha avó falar que "pau que dá em Chico, dá em Francisco".

E como foi a demissão do técnico Jayme de Almeida, que fazia um bom trabalho e também estava com o contrato em vigor?

O Jayme soube de sua demissão pela imprensa!

Só depois é que alguém do Fla (deve ter sido o Wallim, aquele vice de futebol que não entendia nada de futebol) o comunicou oficialmente, por telefone, no final do dia.

Um ato nada decente. Não se demite ninguém pelo telefone ou pela imprensa. Se demite alguém com dignidade, frente a frente, olho no olho.

Isso, sim, é "coisa de homem", como diria, mais uma vez, a minha avó.

Agora, se o Flamengo jogou mal contra o Madureira e empatou com um gol roubado, é porque a torcida vaiava o Pará, que estava mal no jogo?

Claro que não. Quase todos os jogadores estavam mal naquela partida.

O grande rubro-negro Mario Cruz, fez uma lista e o comentário dos maiores laterais-direitos da história do Flamengo:

1 - Leandro, dispensa comentários. O melhor de todos, não apenas do Flamengo.

2 - Toninho, como dizia Saldanha, um cavalo de raça.

3 - Léo Moura, um jogador que é eleito 4 vezes seguidas (2006/2009) o melhor da posição no Brasileirão, tem um aval inquestionável. Tinha muito mais habilidade que Jorginho.

4 - Jorginho, muito bom jogador. Nada demais. Quando Mazinho apareceu no Vasco, fiquei com pena de Jorginho...

5 - Murilo, grande pulmão. Jogador sério, esforçado, normal.

Concordo plenamente com o sábio Mário.

PASCHOAL AMBRÓSIO FILHO   

domingo, 22 de fevereiro de 2015

SÓ EMPATAMOS PORQUE O BANDEIRINHA AJUDOU

Tudo bem, que o Madureira tem um time arrumadinho, com bons jogadores etc e tal.

Mas, o Flamengo é o Flamengo e não poderia, nunca jogar da maneira que jogou e empatar em 1 x 1 com o Tricolor do Subúrbio.

Como erramos passes!

O Cáceres então, segundo a transmissão da TV Globo, teve um momento que já havia errado 13 passes em 15!

E, pior, empatamos com um gol ilegal, no segundo tempo. A bola chutada pelo Bressan foi defendida pelo goleiro do Madura antes de ultrapassar totalmente a linha.
Bressan comemora o gol que não entrou, mas valeu

O bandeirinha não viu e deu o gol.

O problema não é nosso.

O Madureira jogou retrancadinho com o Fla, mas o gol dos caras foi bonito. Um belo chute de fora da área do Luiz Paulo, na gaveta da meta defendida pelo Paulo Victor. Golaço!

É o nosso segundo empate contra times pequenos (o primeiro foi na estreia contra o Macaé, também por 1 x 1) e isso nos custou a liderança do Cariocão, que está nas mãos do Botafogo, time da Segunda Divisão do Campeonato Brasileiro.

E só estamos em segundo por causa do saldo de gols, pois o Volta Redonda também tem 14 pontos ganhos.

Luxemburgo viu que o Arthur Maia caiu bastante de produção e pouco ajudou a equipe. E olha que o cara começou o campeonato jogando muito bem.

Quer dizer que potencial ele tem. Agora é descobrir o que está acontecendo. Pode ser posicionamento em campo, talvez. 

O Luxemburgo ganha muito bem para solucionar este problema.

Quem teve uma pequena queda de rendimento foi o Nixon. Continua veloz, mas anda errando muitos passes e finalizações.

Pra piorar, os laterais rubro-negros são uma lástima.

O Pará e o Thallyson não poderiam estar vestindo o Manto Sagrado.

O Leonardo Moura está indo embora...

Perneta, velho, seja o que for, ele é bem melhor que as duas figuraças, Pará (que cuida muito bem de seu cabelo) e Thallyson (fraquinho, fraquinho...)

Pará é típico lateral de time pequeno. Muita força, muita garra e nenhuma qualidade.

Não vai se criar no Flamengo, a não ser que aprenda a jogar futebol.

Por quanto tempo vamos viver a sina das laterais?

Só quem jogou bem de verdade foi o Marcelo Cirino, o Everton e o Canteros.

Bressan e Samir cumpriram seu papel na zaga.

Domingo tem clássico, exatamente contra o Botafogo, que está com um time aparentemente arrumadinho.

O Flamengo tem que trabalhar bastante esta semana e arrumar a casa, senão está arriscado a perder para um time da Segunda Divisão.

Abre o olho Pofexô!

PASCHOAL AMBRÓSIO FILHO   

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

CIRINO ACABOU COM O JOGO

Ainda bem que o Flamengo tinha o Marcelo Cirino em noite inspirada, diante do Boavista.

Bem, pelo menos no segundo tempo...

A mais cara contratação do ano fez o primeiro gol e deu o passe para Everton fechar o placar em 2 x 0, em cima do Boavista.

E o Mengão, pra variar, acabou assumindo a liderança do Cariocão.

Marcelo Cirino, o nome do jogo
No primeiro tempo, com Cirino sendo pouco acionado, o Flamengo deu um show de incompetência nas finalizações e poderia ter saído de campo com pelo menos dois ou três gols marcados.

Arthur Maia não foi nada bem. A pior partida dele, desde que chegou ao Flamengo.

Outro que jogou mal foi o Canteros, errando muitos passes.

A má atuação destes dois jogadores atrapalhou bastante para o time furar a retranca bem fechadinha do Boavista.

No segundo tempo, o Flamengo botou o time pra correr e deu a lógica: vitória rubro-negra.

Nada mais a falar desta peladinha que rolou no Maraca (é nosso).

No domingo, nossa próxima vítima será o Madureira.

Ah... Já ia me esquecendo. 

Viram o Thallyson?

Viram como ele bate lateral certinho, bonitinho, dentro da regra?

O orgulho da mamãe...

Mas, não joga nada, nada, nada...

Acabou substituído pelo já "imortal" Leonardo Moura, um dos maiores ídolos da história do Flamengo.

Aliás, o Moicano vai embora, para os Estados Unidos, jogar no timeco do Ronaldo Fofômeno.

PASCHOAL AMBRÓSIO FILHO