Pesquise no Flamengo Eternamente

Pesquisa personalizada

terça-feira, 22 de julho de 2014

Rubens


Rubens Josué da Costa nasceu em 24/11/1928. Jogou pelo Flamengo entre 1951 e 1957 e disputou 172 jogos com o Manto Sagrado, marcando 84 gols.
Rubens começou a carreira no Ypiranga, jogou pela Portuguesa e veio para o Flamengo em 1951 e logo na estreia contra o Vasco teve grande atuação ajudando o Flamengo a vencer os cruzmaltinos por 2 a 1 ao dar os passes para os gols de Adãozinho e Índio, quebrando um jejum de sete anos sem vitórias sobre o rival.  Segundo Evaristo de Macedo, Rubens tinha facilidade para driblar, lançava bem e tinha um chute preciso (Sander, 2008, p. 86). Pela categoria em campo era chamado de “Dr. Rúbis”.
Rubens foi essencial para a conquista do tricampeonato carioca de 1953-1954-1955 junto com craques como Jordan, Dequinha, Evaristo, Joel, Zagallo, Índio sob o comando de Fleitas Solich. No livro Os dez mais do Flamengo Sander ressalta que no Campeonato Carioca de 1953, Rubens marcou 12 gols, entre eles dois gols nas duas  vitórias sobre o Bangu: 4 a 0 no primeiro turno e por 7 a 2 no segundo. Rubens também marcou três gols na goleada de 4 a 0 no São Cristóvão. Sander destaca ainda que Rubens marcou o gol da vitória rubro-negra por 2 a 1 no clássico contra o Flu com uma bomba de fora da área, o que garantiu a conquista do returno do Campeonato Carioca ao Flamengo. Rubens também fez o gol da vitória contra o Botafogo na última rodada do campeonato.
No Campeonato Carioca de 1954, Rubens foi decisivo com gols de falta, passes precisos e penetrações em ziguezague. (Sander, 2008, p. 94). Nesse mesmo ano, Rubens foi reserva na Seleção Brasileira que disputou a Copa do Mundo na Suíça.
No Campeonato Carioca de 1955, Rubens jogou menos partidas por um problema no joelho e problemas com o técnico Fleitas Solich, que reclamava que o jogador fumava e não gostava de treinar.
Rubens ficou Flamengo até 1957. Jogou pelo Vasco no ano seguinte e pelo clube de São Januário conquistou o Torneio Rio São Paulo e o Carioca de 1958.
Que bom saber mais sobre Rubens, um dos craques do time que conquistou o segundo tricampeonato carioca da história do Flamengo.

Sander, Roberto. Os dez mais do Flamengo, Rio de Janeiro: Editora Maquinária, 2008.

domingo, 20 de julho de 2014

O PRESIDENTE PODE CAIR JUNTO COM O TREINADOR

Como era esperado, perdemos, humilhantemente, de 4 x 0 para o Internacional.

Vou repetir o que venho dizendo há meses: ou Eduardo Bandeira de Mello assume de verdade a presidência do Flamengo e se torna um líder do clube, ou o Rubro-Negro vai para a Segunda Divisão.

Bandeira, assuma logo a presidência
Ok, que temos o Ximenes como executivo de futebol, que parece bem competente (tanto que já esculachou os jogadores no vestiário uma vez), mas tem muita gente enfiando o dedo onde não deveria, se metendo onde não é chamado, como o Sr. Bap, vice-presidente de marketing, por exemplo. 

E ele não é o único. Apenas o citei como um exemplo de que cada um deve ficar no seu quadrado e que o comando deve ser exercido, o mais rápido possível, pelo presidente Eduardo Bandeira de Mello.

Chega dessa história de Conselho Diretor, onde todos se escondem e ninguém bota a cara a tapa ou toma providências

Os demais integrantes da diretoria não têm coragem de tomar atitudes em público. Fazem tudo às escondidas. São covardes!

O regime estatutário do Flamengo é presidencialista e quem não aceitar ou não estiver satisfeito, que se afaste, que suma, que vá à merda!

O Presidente do Flamengo tem a obrigação de assumir o seu cargo, sob pena de entrar para a história como o pior presidente em mais de 100 anos de Flamengo, aquele que rebaixou o time.

Agora, se Eduardo Bandeira de Mello não está a fim de se desgastar, que pegue logo o boné e que se mande, abandone o barco, como já fizeram alguns de seus amigos de chapa.

Tô pouco me lixando que a Seleção Brasileira pagou mico na Copa dentro de casa e que tomou de sete da Alemanha. 

EU SOU FLAMENGO! 

Não sou Seleção Brasileira.

Em 56 anos de vida, já vi o Flamengo mal das pernas, com chances de ser rebaixado, mas NUNCA vi algo tão ridículo, não evidente de que agora caminhamos para o cadafalso, como se fôssemos inimigos da Revolução Francesa..

E isso está acontecendo já na 11a. rodada do Brasileirão.

Estamos sem cabeça dentro e fora de campo.

Pra que foram tirar, de maneira nada ética, o Jayme de Almeida?


Ney Fraco e sua cara de hiena Hardy

O Ney Fraco, desde que entrou, perdeu quatro e empatou três.

E fica com aquela cara de hiena Hardy em na beira do campo,sem saber o que fazer.

Quando substituiu, o faz errado, como neste jogo, em que o Flamengo ficou sem ataque.

Não conseguiu, em trinta dias, montar um esquema de jogo.

E nem teve a hombridade de pedir demissão hoje, ainda no Beira-Rio.

Esta semana o treineiro disse que o Flamengo não precisava se desesperar com a lanterna.

O Ney é que não precisa, pois o Flamengo é rebaixado e ele vai para outro clube.

Não sabe dirigir o time e nem pode, pois não tem o grupo nas mãos, já que os jogadores, claramente, estão fazendo corpo mole.

E olha que são "profissionais". São pagos para jogar e dar tudo de si.

Você viu o Lucas Mugni, único argentino sem raça, entregar a bola nos pés do adversário, dentro de nossa área? Acabou que o Chicão fez um pênalti e saiu o primeiro gol.

Quem não está a fim que vai pra puta que o pariu!

Mas o salário é muito bom para largar essa boquinha, né?

Tente você, caro leitor, fazer corpo mole no seu  trabalho, apesar do salário merrequinha que você ganha.

Agora os jogadores do Flamengo falam em vergonha,que não sabem o que está acontecendo etc e tal. São muito caras de pau! Eles simplesmente estão fazendo corpo mole.
Lanterna rubro-negra

Tá certo que o Flamengo tem um elenco fraco, mas nunca para segurar a lanterna de um campeonato.

Fora com Mugni, Elano, Matteus, Erazo, Recife, Negueba, André Santos e até Leonardo Moura (que, apesar de tudo, merece uma estátua na Gávea, pelos serviços prestados ao Flamengo).

O Flamengo poderia fazer uma proposta para o Grêmio, que paga metade do salário do Elano. Devolve o jogador ao Tricolor Gaúcho e passa, o clube carioca sim, a pagar a metade do salário dele.

Se não demitirem o Ney Fraco logo, vai ficar evidente que estarão esperando o jogo contra o Botafogo, domingo que vem, que sempre amarela diante do Flamengo, para ver se conseguimos uma vitória.

Presidente, não espere mais. Tome uma atitude digna de um verdadeiro comandante do Flamengo.

Antes que "forças ocultas", que já estão se movimentando pela Gávea, o derrubem do cargo, junto com (in)Wallim, Bap e outros azuis.

A revolução pode estar a caminho e vai derrubar quem estiver pelo caminho,

Já cansei de ouvir a frase: "Que saudade da Patrícia Amorim..."

Dita, inclusive, por muitos que apoiaram a sua Chapa Azul, nas eleições.

Independente de considerá-la uma amiga, eu tenho saudades dela, no quesito futebol.

PASCHOAL AMBRÓSIO FILHO   

sábado, 19 de julho de 2014

SEM PAPAS NA LÍNGUA

FUDEU!

Este é o time do Flamengo, que enfrenta o Internacional neste domingo, no Beira-Rio.

Felipe, Léo Moura (que tem que jogar no meio), Wallace, Chicão e André Santos(inútil e chinelinho); Recife (fraquinho), Luiz Antonio, Elano (aposentado) e Lucas Mugni (único argentino sem sangue); Nixon e Alecsandro.

Em negrito, os inúteis. 

Já entramos em campo com quatro sérios desfalques ou quatro a menos, se preferirem.

O Ney Fraco bem que podia tirar o André Santos e colocar o João Paulo, que , pelo menos, demonstra mais vontade de jogar, apesar de ser bem limitado.

Aliás, o Ney Fraco poderia ter ficado no Rio, pois a sua presença ao lado do campo não acrescenta nada. 

Só leva os jogadores ao desânimo, já que ele é a cara da hiena Hardy. Ho, dia...

Samir, Everton e Paulinho estão machucados.

Só um milagre mesmo para nos salvar de outro vexame.

Haja trabalho para São Judas Tadeu...
PASCHOAL AMBRÓSIO FILHO   

Recordar é viver: É PENTA!!!

Hoje, 19 de julho é um dia muito especial para nós rubro-negros. 

Em 1992, há exatos 22 anos, conquistávamos pela 5a vez o Campeonato Brasileiro, uma façanha, que foi igualada 15 anos depois. 

Apesar de termos chegado com a moral de faturar o campeonato carioca no fim de 1991, o Flamengo até que começou bem o campeonato, mas seguidos tropeços, alguns em casa, chegaram a colocar em risco a classificação rubro-negra à fase dos quadrangulares. Faltando poucas rodadas para o fim, só uma boa sequência de vitórias, ou um conjunto de resultados dos outros times, levaria o time adiante à competição. O time conseguiu se superar e alcançar a classificação na última rodada, vencendo o Inter/RS. Com os resultados dos outros jogos, conseguimos terminar em 4o lugar a primeira fase. 

Naquele campeonato os finalistas eram definidos em 2 grupos de 4 times. Um tinha Flamengo (4º), Santos (8º), São Paulo (6º) e Vasco (1º). No outro grupo Botafogo (2º), Bragantino (3º), Corinthians (5º) e Cruzeiro (7º). 


Enquanto o Botafogo passeou no outro grupo, garantindo sem muitas dificuldade a vaga às finais e se credenciando como favorito, o Flamengo sofreu pra conseguir chegar às finais, numa disputa muito equilibrada, onde os 4 times chegaram à última rodada com chances de classificação. 

O Flamengo e o Santos se enfrentariam no Maracanã de olho no jogo entre Vasco x São Paulo, torcendo pro Vasco vencer. O tricolor paulista, líder do grupo e que tinha semanas antes faturado a Libertadores, tinha a vantagem de uma vitória simples. O Vasco precisava ganhar e torcer pra Flamengo x Santos empatarem. No final da rodada, o Vasco venceu (3x0) e o Flamengo também (3x1). Final carioca no Brasileirão. 

Por ter um elenco melhor e ter tido uma campanha mais regular, era mais fácil colocar o Botafogo como favorito nas finais. Mas o Flamengo mostrou que quando deixa ele chegar pra decidir, não tem pra ninguém. O título, que sairia de "um jogo de 180 minutos" foi decidido logo nos primeiros 45. Flamengo 3x0. Gols de Júnior, Nélio e Gaúcho, todos no primeiro tempo. No dia seguinte, a caça às bruxas rolou no lado chorão, e Renato Gaúcho foi afastado depois de um churrasco com o seu camarada Gaúcho. 

O segundo jogo, era pra ter sido só festa, mas minutos antes a queda da grade da arquibancada deixou 3 mortos e muitos feridos. No campo, o Botafogo tentou reverter o resultado, os 2x0 que o time abriu, com Júnior e Julio Cesar, garantiram o título. Aos Botafogo, restou só alcançar o empate nos minutos finais. O título consagrou além do técnico Carlinhos, um dos mais vitoriosos do clube, técnico do Tetra em 1987, as grandes atuações do "Maestro" Junior, craque do campeonato, e uma mescla de jogadores experientes, como Gilmar, Wilson Gottardo, Uidemar e Gaúcho, com jogadores do time campeão da Copa SP de Juniores de 1990, como Junior Baiano, Paulo Nunes, Fabinho e Nélio. Foi a última vez que a famosa "Taça das Bolinhas" foi concedida ao campeão brasileiro. O desenrolar desta história é uma novela que até hoje não acabou e provavelmente não acabará até 2092, quando iremos comemorar o centenário do Penta.



A campanha:
Primeira Fase:
1a rodada: 29/01 - Bahia 1 x 1 Flamengo
2a rodada: 03/02 - Guarani 1 x 3 Flamengo
3a rodada: 09/02 - Flamengo 2 x 2 Botafogo
4a rodada: 15/02 - Palmeiras 1 x 2 Flamengo
5a rodada: 19/02 - Flamengo 3 x 2 São Paulo
6a rodada: 24/02 - Flamengo 1 x 2 Cruzeiro
7a rodada: 07/03 - Santos 2 x 0 Flamengo
8a rodada: 11/03 - Atlético/MG 1 x 1 Flamengo
9a rodada: 14/03 - Flamengo 0 x 1 Bragantino
10a rodada: 21/03 - Náutico 0 x 0 Flamengo
11a rodada: 29/03 - Flamengo 2 x 4 Vasco
12a rodada: 05/04 - Flamengo 2 x 0 Atlético/PR
13a rodada: 12/04 - Corinthians 1 x 3 Flamengo
14a rodada: 19/04 - Flamengo 1 x 1 Fluminense
15a rodada: 26/04 - Flamengo 1 x 2 Sport
16a rodada: 03/05 - Flamengo 4 x 1 Paysandu
17a rodada: 09/05 - Portuguesa 1 x 1 Flamengo
18a rodada: 24/05 - Flamengo 3 x 1 Goiás
19a rodada: 31/05 - Flamengo 2 x 0 Internacional

Segunda fase:
1a rodada: 14/06 - Flamengo 1 x 0 São Paulo
2a rodada: 20/06 - Santos 1 x 0 Flamengo
3a rodada: 28/06 - Vasco 1 x 1 Flamengo
4a rodada: 01/07 - Flamengo 2 x 0 Vasco
5a rodada: 04/07 - São Paulo 2 x 0 Flamengo
6a rodada: 08/07 - Flamengo 3 x 1 Santos

Finais: 
Flamengo 3 x 0 Botafogo
Botafogo 2 x 2 Flamengo


Vale a pena ver os melhores lances do jogo da finalíssima:

sexta-feira, 18 de julho de 2014

CROATA BRASILEIRO NÃO É A SALVAÇÃO

Tem muito rubro-negro por aí apostando no Eduardo da Silva, o brasileiro da Seleção da Croácia.

O cara é bola, mas temos que lembrar que está há quinze anos fora do Brasil e que já sofreu uma séria contusão, uma fratura exposta,de tíbia e perônio, em 2008. Isso deve causar algumas limitações ao jogador.

Eduardo da Silva é muito bom de bola
Não podemos jogar nele toda a responsabilidade de acertar o time do Ney Fraco.

Eduardo, será uma peça importante do time, com certeza, mas não acredito que só isso será a salvação.

O que eu sei é que o Flamengo tem que se virar e sair da lanterna.

Mas tem que ter Luis Antonio e nunca o fraco Recife em campo.

E é preciso tirar o André Santos da lateral-esquerda e colocar o Éverton.

Aliás, tem que demitir o André Santos e o Elano.

Tem que sair o Ney Fraco e voltar o Luxemburgo ou o Jayme de Almeida.

Se bem que já se fala na Gávea em um técnico argentino.

Bem, com os 400 mil reais de salário do Ney Fraco, dá para trazer qualquer bom técnico sul-americano.

Domingo, diante do Internacional, em Porto Alegre, já considero o empate um bom resultado.

Olha só a que ponto chegamos.

Um verdadeiro flamenguista nunca poderia pensar em outro resultado, em qualquer campo, que não fosse a vitória.

Veja no que a diretoria de executivos nos transformou.

Vamos pagar as dívidas, mas temos que ser vencedores sempre.

O contrato da Adidas, por exemplo, diminui o valor do patrocínio, caso o Flamengo caia para a Segundona.

Esta seria uma primeira consequência. Além disso, outros patrocinadores podem não surgir.

Aí é que eu quero ver se os executivos vão ficar felizes, sem dinheiro para pagar as dívidas.

Vai ter mais gente renunciando... Abandonando o barco, como outros já fizeram.

Queremos time!

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Calúnia do Rúbio Negrão

Sejemos cinseros e analfabéticos: finalmente, a Copa do Mundo terminou. Se gostei? E eu lá acompanho torneio que o Mengão não disputa? Qual é o atrativo? “Quequiminteressa”?

E pensar que nos tempos de ginásio eu sentia vergonha quando algum colega me esnobava, jogando na minha cara que na casa dele tinha copa...

Mas danem-se os meus colegas de escola! Hoje devem ser advogados de porta de xadrez ou cirurgiões plásticos aí nessas clínicas da zona sul... 

O Mundial acabou, e não acabou nada bem. Nem mesmo a retumbante derrota argentina conseguiu emprestar um final feliz ao evento. Acabou mal porque muita gente boa festejou o título alemão com se fosse um título rubro-negro, atitude que acaba gerando zoações desnecessárias. E, atualmente, já não tô dando conta nem das necessárias.

Como a provocação que recebi de um cara lá no Bar do Portuga, que veio fazendo uma piadinha pra cima de mim, envolvendo um fusquinha e uma Ferrari amarelos. Quando levantei a cabeça da minha sopa de ervilha, ainda dando uma última colherada na mesma antes que esfriasse totalmente (porque já chega meio fria da cozinha), já com a resposta engatilhada, percebi que o cômico de velório em pé ao meu lado vestia uma camisa do... Botafogo!

Isso, obviamente, mudou os meus planos, porque se fosse um tricolor ou vascaíno, uma única frase bastaria. Talvez uma frase curta, até. Mas para um botafoguense em pleno século XXI, meus argumentos não levariam menos de 4 ou 5 horas para ser expostos, isso se ele não me interrompesse. E como eu tinha hora marcada numa roda de porrinha na portaria do meu prédio, preferi cumprir o compromisso, até pra ver se recuperaria a grana da sopa gelada.

Recuperei, mas mesmo feliz, confesso ter sentido os primeiros sinais de decadência atingirem em cheio minha autoestima: após um mês convivendo com torcedoras holandesas, belgas, alemãs, italianas e espanholas, voltei a esbarrar com tricolores, vascaínos e botafoguenses.

Mas o que interessa agora é que aquilo que interessa agora recomeçou: bola pra frente no Brasileirão!

Ou bola pra trás, dependendo do time por que você torce.


Duplex Toc Zen

1 - Tem hermano por aí chorando à toa: Perda de Copa do Mundo o tempo cicatriza, mas ser argentino é pra vida inteira!

2 - Aí, o meu sobrinho de 4 anos me pergunta durante a final da Copa do Mundo: “Tio, o que é ‘lemão’ e ‘nojentino’?”

3 - Achei bem fraco o nível das arbitragens na Copa: Tinha juiz ali interpretando a clássica pergunta de jogador “Tá a fim de me roubar?” como simples retórica.

4 - Fim de Copa, a realidade agora é outra: Não confunda CBF com CRF.

5 - Vasco 4x1 Santa Cruz: Chupem, fluminenses! Time médio não cai pra Série C!

6 - Sem Fred, o Fluminense pensou que estaria bem servido com Walter: Mas Waltinho não é de servir ningúem. É de comer sozinho.

7 - Mas pelo menos o Elano voltou bem: Bem mais lento. 

8 - Durante a parada da Copa, Ney Franco finalmente conseguiu criar um time à sua imagem: Um Francoenstein.

9 - Pro prosseguimento do Brasileirão, o Flamengo preferiu apostar numa nova postura dos jogadores a investir em contratações: Aí, danou-se...

$ - E salário atrasado não é desculpa: Porque já não recebo um tostão há mais de 10 anos, e tô aí, vivendo, respirando, comendo, bebendo e bebendo. E bebendo.
Vem cá: já falei “bebendo”?

11 - O Elano é uma espécie de Carlos Eduardo: Só que menos veloz.

12 - O Flamengo tá tão lento, mas tão lento: Que não teve velocidade nem para superar um time que tava com Delay na defesa.

13 - Mengão em último lugar: Nem precisa virar a mesa, basta virar a tabela do campeonato que já serve.

14 - Não deixar o adversário gostar do jogo é uma coisa: Não deixar o próprio torcedor é outra bem diferente.

15 - “Segundo o Consulado, cerca de 40 argentinos não têm dinheiro para voltar para casa”: Porra, faz uma peneira, e mete uns 3 ou 4 pra jogar no Flamengo!


16 - Twitter Cassetadas da semana (em tempo real só em @rubionegrao)

Cuidado, jogadores brasileiros, na hora de receberem suas medalhas, porque o Marín tá na área!

O Brasil toma 7 da Alemanha, e o time sai chorando de campo.
Se a Argentina tomar 3, o jogo vai terminar em porradaria.

As seleções alemã e holandesa são as mais ingratas e folgadas da Copa: vieram pra nossa casa, foram bem recebidas, mas limparam na cortina.

Calma no Brasil, que a hecatombe tá diminuindo: pela escala Richter, o terremoto de 7.1 da terça passada já passou pra um de 3.0 hoje. 

Se a polícia começar a prender turistas argentinos por racismo, amanhã o Maracanã vai estar vazio.

Esse goleiro alemão é muito nóia. #WorldCupFinal

Seria uma grande injustiça o futebol retranqueiro e faltoso da Argentina levar a Copa.

Como foi a primeira final em Copa aqui no Brasil, a Argentina levou um MARACABAÇO. #WorldCupFinal

♫ Ô argentino, conta ligeiro ♪
♪ comequié ser odiado no mundo inteiro? ♫

"Já estamos com uma mão na taça." - Parreira
Beleza, mas agora solta, que os alemães têm que levá-la embora. #WorldCupFinal

Bem, o primeiro turno da Copa é da Alemanha, mas no segundo a Seleção brasileira vai arrebentar!
O quê? Hã?

Sem dúvida, esse 1 a 0 doeu mais nos argentinos que o 7 a 1 doeu nos brasileiros. #WorldCupFinal

@Unabomber_Fem Técnicos brasileiros em polvorosa com a possibilidade de ruptura da odiosa reserva de mercado. Patético.

A Engenharia de Tráfego confirmou que às 22h de hoje será reaberta a Avenida Leonardo Moura, que esteve fechada durante a Copa.

Parabéns pela dedicação, grande @elano_blumer! Juntos daremos a volta por cima. Domingo quero ver você voando baixo! SRN

@Gustavo1969Mast @elano_blumer Elanão jogou muito! Se ele não tivesse cansado aos 10 minutos do primeiro tempo, teríamos ganho o jogo!

Ainda bem que eu não sou Flamengo.

E nada mais faço. Elanão, tamo junto!

(Ás do quinta-colunismo esportivo, Rúbio Negrão, vulgo Rubro-Negão Trolhoso, vulgo RNT, é cria dos juniores do blog da Flamengonet, e aceita doações de camisas oficiais novas do Flamengo no tamanho G.)

De Volta ao Caos...


Analisar pontualmente o que ocorre no Flamengo se tornou um desafio para as mentes mais brilhantes. Diante disso passei a observar os acontecimentos em um contexto mais amplo. Sair do cartesianismo para a holística é um passo ousado, mas necessário para tentar compreender os mistérios do universo futebolístico.

O Flamengo começou 2014 dando mostras de que poderia ter maiores ambições que nos 4 anos anteriores. Vinha demonstrando bom planejamento no Campeonato Carioca, teve uma estréia na Libertadores, onde mesmo perdendo, deu esperanças de que poderia superar seus adversários nos jogos no Maracanã.


Mas a dura verdade foi que o time teve enorme dificuldade em superar o fraco Vasco nas finais do Estadual, e demonstrando fraqueza diante dos adversários latinos na competição sul americana. 


No Brasileirão, onde eu depositava esperanças por uma campanha digna, testemunhamos as dificuldades contra o Goiás. Mas até aí tudo bem, pois os esmeraldinos dificultam a vida de outros times. Na derrota para o Corinthians, embora eu não concordasse com o nosso treinador Jayme de Almeida, que dizia que o Flamengo jogara bem, consegui perceber que os badalados gambás não jogaram tão melhor que nosso time, mas nos venceram por 2x0.


A vitória contra o Palmeiras nos serviu para duas coisas: não enxergar que o todo poderoso Murici Ramalho tinha cometido exatamente o mesmo erro de escalar um time com um vazio no meio campo no dia anterior, mas que o Jayme tinha cometido um pecado imperdoável. As críticas foram talvez exageradas, devido às enormes dificuldades em se escalar um time, onde peças importantes como Everton e Hernane estavam entregues ao DM, trazendo obviamente tensões ao elenco limitado.


Bem companheiros, quem teve a paciência de ler até aqui tem o direito de saber que esse era o início do texto após a derrota por 2x0 para o Fluminense. Na ocasião eu tentava balizar as dificuldades que Jayme de Almeida tinha para montar o time. Identifica os atletas com lesão, além das péssimas atuações de André Santos, Elano e outros.


A demissão covarde de Jayme, que tinha um desempenho fraco, com aproveitamento de apenas 33,34% foi apenas um dos equívocos da diretoria. O maior erro a meu ver foi a contratação de um treinador que, em sua passagem anterior, nos deixou apenas na vice lanterna do Campeonato Brasileiro. A diferença é que em 2007, um Joel Santana da vida resolvia as coisas; hoje não vejo como isso possa se repetir.


Sob o comando de Ney Franco, o Flamengo disputou seis partidas, não venceu nenhuma! A equipe comandada por Ney tem um aproveitamento de 15,83% e, ao menos que alguém acredite que isso que foi em campo na derrota para o Atlético do Paraná conseguirá vencer algum time da Série A.
Nesse momento a solução terá que ser rápida. Eu já vi o Canteros jogar, o cara é bom, mas diante de experiências anteriores, teremos que aguardar os desdobramentos de suas atuações e, principalmente, como será organizada a equipe. Afinal, o futebol é sabidamente um esporte coletivo. Hoje ele em campo provavelmente teria muitas dificuldades.


Nossos problemas são tão evidentes que fico assustado com os comentários convergentes. Será que agora todos entendem os motivos pelos quais Elano era reserva no Grêmio?  O Flamengo com Elano e André Santos em campo é um time que joga com 9. Falta acima de tudo condição física para ambos. André pode voltar para o Arsenal, equipe com nome apropriado para uma bomba.
Necessitamos com urgência de um técnico que arrume o time. E arrumar o time significa sacar quem não está rendendo e, fundamentalmente, consiga compor um meio de campo que saiba trocar passes, armar jogadas. 


E há que se parar de falar bobagem. Chicão disse que o Flamengo não mereceu perder? Desculpa-me Chicão, gosto muito de você, acho que é titular absoluto, tem liderança mas...toda vez que o Atlético do Paraná nos atacou foi desesperador. A vitória deles foi justa. O máximo que poderíamos chegar seria ao empate, jogando “no abafa”.



A situação é delicada. Para ficar ruim há que se mandar Ney Franco embora imediatamente. Sonho com Sampaoli. Sonhar não custa nada. Sensação desagradável é onde nos encontramos atualmente, um pesadelo, o verdadeiro caos. O Flamengo de Jayme poderia ser considerado fraco, mas esse time atual sofre humilhações, como na derrota para o Cruzeiro.

                              Fora Ney Franco!

Cordiais Saudações Rubro-Negras!

Ricardo Martins – Embaixada Fla BH