Pesquise no Flamengo Eternamente

Pesquisa personalizada

sábado, 16 de junho de 2007

Minha história de Amor ao Flamengo

Venho de uma família (por parte de mãe) de 99% Rubro-Negros, alguns fanáticos, como minha vó materna que quando viva, passava mal em todo jogo do Flamengo e de vez em quando, parava no hospital com pressão alta (rsrs), meu avó também era Rubro-Negro daqueles!
Meu tio Vivaldo é do tipo que até hoje tem um caderninho com a escalação de todos os jogos do Fla, quem entra, quem sai, quem fez gol, quem foi expulso ou substituído, um verdadeiro arquivo vivo sobre o Mais Querido, talvez isso explique o DNA Rubro-Negro correndo em meu sangue...mas minha história com o Flamengo começou há quase três décadas atrás.

No último dia 1º de junho, o Flamengo comemorou 27 anos da conquista do seu primeiro título brasileiro, primeiro de cinco títulos, diga-se de passagem e eu, hoje com 33 anos, comemorei também meus 27 anos de paixão declarada ao Rubro-Negro carioca, pois na época eu acabara de completar seis anos de idade e já "torcia pelo Flamengo", claro, desde o ventre da minha mãe, mas só naquele 1º de junho de 1980 é que eu senti na pele o que "é SER Flamengo" de verdade.

Lembro-me como se fosse hoje, era um domingo ensolarado em São Paulo (algo um pouco raro na época), em casa, minha mãe preparava a festa de quatro anos de minha irmã Cecília, a caçula de cinco filhos e minha irmã Elaine (a mais velha), na época com 15 anos, também preparava uma festa, mas não era a da Cecília, era uma outra festa que naquele momento eu com seis anos e uma semana de vida, ainda não entendia o motivo daquela "agitação" toda.
Em 1980, ainda não tínhamos tv colorida em casa, mas nossa vizinha da casa 6 tinha (morávamos em uma vila com um total de seis casas) e já estava tudo combinado para assistirmos ao jogo na casa dela, até que uma outra vizinha, da casa 5, também decidiu assistir lá e aproveitando, levou mais umas três ou quatro pessoas de sua família (que lhe visitavam naquele dia), para assistirem também, até aí tudo bem, não fosse o "pequeno detalhe" de todos serem mineiros, torcedores ferrenhos do Atlético e a família que nos acolhia, que era formada por quatro pessoas, todos corinthianos, naquele domingo também estavam torcendo para o galo, ou seja, eram cerca de oito pessoas no total azarando a gente, enchendo nossa paciência com gritos de "galo, galo".
Enquanto a festa da minha irmã era preparada em casa, lá estávamos eu, Elaine e Cecíla (pois é, minha irmãzinha aniversariante também quis assistir..) estávamos sentados à frente daquela tv "enorme", 20 polegadas, colorida e com controle remoto! aflitos pelo início da partida...
Para falar a verdade, até então eu não havia ainda entrado no "espírito do jogo", só lembro que minha irmã dizia que era pra gente pensar positivo e torcer para o Mengão ganhar aquele que era até então, o jogo mais importante da história do Flamengo daí, comecei a prestar mais atenção naquela movimentação toda.
Começa a partida e como se fosse hoje lembro que ao ouvir os gritos de "Mengo, Mengo" da torcida, comecei a me arrepiar, sentindo uma emoção diferente, fiquei fascinado com aquele canto e perguntei à minha irmã o que eles estavam dizendo, ela me respondeu que era um canto que "ajudava a empurrar o time pra fazer o gol"...meu Deus, confesso que naquele momento em diante meu coração que já tinha simpatia pelo Flamengo, tornou-se Rubro-Negro de fato.
A história do jogo todo mundo conhece, nos gols do Flamengo eu e minhas irmãs pulávamos feito loucos aos gritos de "é campeão", mas nos gols do Reinaldo (como jogava bola aquele cara!), o restante dos presentes à sala nos atordoavam com gritos, pulos e zoação (queria trucidá-los, mas era muito pequeno para isso..rsrs), até que um tal de "João Danado", mais conhecido como Nunes, pegou aquela bola na esquerda do campo, "quebrou a espinha" do tal Silvestre e com um toque genial, meteu aquela bola mágica no cantinho do João Leite...
Ahhhhhh.... era o gol que faltava pra gente explodir de vez!!!!
Lembro que um dos atleticanos saiu da sala xingando, dizendo que "o juíz estava comprado" e a gente gritando "é campeão!!!"
Final do jogo, Flamengo Campeão Brasileiro, a festa da minha irmã já estava pronta e para completar a alegria, eu e minhas duas irmãs iniciamos um "ritual" que se repetiria por várias vezes no início daquela década maravilhosa, saímos pelas ruas de Moema (o bairro que morávamos), aos gritos de "Mengooo, Mengooo!!!" (igual àquele que tanto me emocionou durante a partida), voltamos alguns minutos depois para casa e para completar o domingo perfeito, comemoramos os quatro aninhos da Cecília, ao som do hino do Flamengo, que tocava sem parar na vitrola da sala.
De lá pra cá foram muitas alegrias, algumas derrotas e decepções, duas finais no Maracanã (1992 e 2006), trinta e tantas camisas oficiais, dezenas de outros produtos com a marca Flamengo, dezenas de autógrafos conseguidos no aeroporto de Congonhas (um deles do Nunes, num pedaço de papel de um sanduíche de pão com presunto e queijo, que o Adílio me deu em uma das vezes que vieram jogar em SP por volta de 82, 83...), outros tantos jogos no Morumbi, Pacaembú, Vila Belmiro, Canindé, Parque Antártica...dois desenhos (logomarca) doados ao clube (Conte Comigo Mengão e GEASE-FLA), fiz muitos amigos, principalmente na Fladeverdade, na VDM - Vai Dar Mengão do Orkut ( Daniel, Azedo, Marcel, Grêlo...que me receberam com a maior alegria no Maraca, ano passado na final da Copa do Brasil) e na FLA-Sampa (galera que se reune aqui em SP para assistir aos jogos do Fla) e tantas outras coisas boas que no momento não teria tempo para contar.
Já fui sócio Off-Rio do clube (até o dia em que sem mais nem menos, pararam de me enviar os boletos de cobrança), no Centenário do clube 15/11/1995, eu e minha irmã Cecília, já moça na época, viajamos a noite inteira de SP para o Rio, afim de comemorar a data dentro do clube que tanto amamos (sonho realizado de conhecer a Gávea!).
Enfim, já briguei pelo Flamengo, já chorei, já cantei, já vibrei e após 27 anos, mesmo com inúmeros problemas, a única certeza que tenho é que a cada dia que passa eu AMO cada vez mais esse clube e como diz o próprio hino, "Uma Vez Flamengo, Flamengo Até Morrer"...no meu caso ATÉ DEPOIS DE MORRER!
Abs e SRN.
Edmar

Um comentário:

Marcelle disse...

Flamengo é alma, é vida...não é modismo, é eternidade! Viva sempre o NOSSO amado Rubro-negro!