Pesquise no Flamengo Eternamente

Pesquisa personalizada

terça-feira, 24 de junho de 2008

O Pacto do Barril

O Pacto do Barril


Minha admiração por Arthur Antunes Coimbra, o Zico, o Galinho de Quintino, o Camisa Dez da Gávea, não tem tamanho. E isso não é figura de linguagem. Se há alguém que mereça nesse mundo minha gratidão é o grande craque rubro-negro. Se há homem que faça jus ao meu respeito é o filho do seu Antunes.

Agora mesmo, acabo de ouvi-lo num programa fantástico, o Encontros para a história, que promoveu a reunião do craque com o mestre Ruy Castro e um time bom de jornalistas carregando o piano. Declarou o Galo, entre outras coisas, que não seria técnico da seleção brasileira até 2015, porque não confia "naquela gente" que comanda a CBF. É isso. Mas o mais bacana do programa e que tem a ver com o espaço aqui foi uma história que eu, rubro-negro de quatro costados, orgulhoso e feliz até o cú fazer bico de torcer por esse fenômeno de massas que é o Mais Querido, não conhecia: a do Pacto do Barril.

Zico lembrou a decisão do segundo turno do Carioca de 1977, quando o Flamengo, que já tinha o lendário meio-campo Carpegiani, Adílio e Zico, e, como técnico, o aplicado Cláudio Coutinho, perdeu, nos pênaltis, o turno e o título para o Vasco. Milton Queiroz da Paixão, o Tita, entrara no final, justamente para bater um dos pênaltis. Perdeu o quinto da série, muito bem defendido pelo figuraça Mazaroppi. A seguir, Roberto confirmou a vitória cruz-maltina. Contou Zico que os jogadores rubro-negros, após a decisão, resolveram se juntar em torno de Tita, então um jovem e promissor meia da Gávea, lapidado aos poucos para um dia ser o sucessor do Galo. Para dar uma força ao habilidoso jogador – que, depois, também defenderia as cores do Vasco – os futuros gloriosos craques rubro-negros se reuniram no Barril 1800, no Arpoador.

Lá, eles conversaram durante toda a noite e, lá pelo décimo chopp, chegaram a uma conclusão: eles formavam o melhor grupo de jogadores do país e não podiam pensar em outra coisa a não ser ganhar tudo o que jogassem. Naquele momento, do grupo de craques que o Flamengo fez em casa, surgiu a fase das glórias rubro-negras. Daí em diante, foram o tri-campeonato carioca, os títulos brasileiros de 1980 e 1982, a epopéia da Libertadores e, claro, a conquista do mundo, o título no Japão, enfiando três pepinos no Liverpool (um de Adílio e dois de Nunes). Tita seria campeão nada menos que 18 vezes vestindo o Manto, até 1985.

Agora, vejam os senhores o poder de uma mesa de bar. Foi ali, diante do mar de Ipanema e da tulipa dourada, que um grupo distinto de jogadores e homens se tornou um grupo, uma instituição, uma entidade inconsútil, capaz de feitos míticos. Como nas missas, em que o Sagrado é representado pelo fruto fermentado da vinha, ali naquele boteco o Mágico fez-se encarnado no malte contido naquelas tulipas em torno das quais corações, mentes e chuteiras se uniram num brinde pactual, em solene e carioquíssima cerimônia.

E, a partir daquele gesto de união de corações em torno do companheiro mais jovem, Tita, num momento de desdita, nasceria a Vitória. Eu, garoto de dez anos que chorava a derrota naquele momento tomando um guaraná caçula no Seu Aníbal, sem ainda sequer desconfiar dos poderes sagrados da fermentação e da destilaria, mal sabia das alegrias que uma rodada de chopp já estava me dando naquele exato momento.

Em tempo: aqueles jogadores estabeleceram outro cânone. Nelson Rodrigues dizia que o torcedor rubro-negro toma a derrota como uma punhalada, uma traição. Aquela geração de jogadores levou esse sentimento para campo e a partir de então, para o Flamengo, só a vitória se tornou resultado aceitável. E é por isso que estendemos uma faixa para lembrar aos jogadores atuais uma verdade sem direito a sofismas: Campeonato Brasileiro é obrigação.Tremei, torcidas rivais! Da desdita, nascerá, a partir dos nossos brindes e nossa união, a Glória!

Dirley Fernandes

6 comentários:

Alisson Furfuro disse...

Que coisa mais linda. O Mengão é fodástico. SRN!

Pedro Lessa disse...

Mais uma maravilhosa historia que o blog nos tras. Essa eu nao conhecia

Anônimo disse...

Está na hora dessa cambada que está aí fazer algo assim.

Beatriz disse...

Olá !
adorei seu blog ! Posso colocar o link no meu fotolog (do Fábio Luciano) ??
Obrigada pela visita !

Flamengo Eternamente disse...

Olá Beatriz. Vai ser um prazer se você puder colocar o link na sua página.

Eu é que agradeço pela sua visita e peço que volte sempre.

Tudo de bom e Flamengo até Morrer :-)

BLOG DA MUSCULAÇÃO disse...

galera fui o ganhador do livro criando campeões, o livro ja chegou em minha casa, e estou curtindo cada pagina do livro
agradeço a toda equipe do blog
saudaçoes rubro-negras