Pesquise no Flamengo Eternamente

Pesquisa personalizada

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Libertadores, 1984: uma estreia inesquecível

Libertadores, 1984: uma estreia inesquecível

Era a nossa primeira Libertadores sem Zico. Lá estavam, no time titular, os mundialistas Leandro, Figueiredo, Mozer, Júnior, Andrade, Adílio e Tita. Lico, voltando de contusão, a mesma contusão que encerraria a sua carreira, e Nunes, barrado por Edmar, estavam no banco. O grande Ubaldo Fillol substituía o imensurável Raul Plassmann. Ainda era um timaço, mas o assunto naquela semana era a falta que Zico faria na competição continental.

O primeiro adversário foi o Santos, no dia 11 de fevereiro, no Maracanã. Se o Flamengo tinha Fillol, agora o Peixe exibia Rodolfo Rodriguez no lugar de Marolla. A reportagem do Jornal Nacional que antecedeu o jogo chamava o uruguaio de muralha, e perguntava: terão os rubro-negros munição para derrubar Rodolfo?

Mozer começou a responder a questão no primeiro tempo, pegando o rebote de uma falta cobrada por Tita. Foi o placar do primeiro tempo, Fla 1x0. No começo da etapa final, o mesmo Mozer, o gigantesco José Carlos Nepomuceno Mozer, interceptou uma saída do Santos na intermediária, pela esquerda. Deu um toque a frente, aproximou-se da lateral da área carregando a bola junto ao pé direito, riscou um marcador para dentro e, quando outro chegou na cobertura, armou o chute. O beque santista tentou o bloqueio com um pé-de-ferro, mas Mozer enfiou a porrada na bola, fazendo o tal beque santista, pobre beque santista, saltar nos dois pés. A bomba saiu reta, para o alto, e estourou nas redes de um atordoado Rodolfo Rodriguez, que ficou sentado na pequena área enquanto Mozer corria para o escanteio, para mandar beijos para a massa rubro-negra. Foi o gol mais bonito que eu vi de um zagueiro pelo Flamengo.

O Santos descontou, mas Lico entrou no jogo para marcar seu último gol com o Manto. Deu um drible de letra na meia-lua e matou três santistas, para depois chutar colocado e rasteiro, na costura. Pouco depois, o mesmo Lico driblou e centrou para Tita passar a régua e fechar a conta. Flamengo 4 a 1.

A capa da Revista Placar trouxe Mozer jogando beijos para a torcida, com a inscrição "Digno de um campeão mundial". Mesmo sem Zico, aquele Flamengo não perdia a majestade.

Maurício Neves

5 comentários:

Marcelo Espíndola disse...

Grande Warley!!!!
Adorei o seu texto e gostaria de saber se posso postá-lo lá no meu blog, o Fla Museu, juntamente com o vídeo desse jogo. Aproveite e faça uma visita para ver o blog tá legal. Um grande Abraço!!!!

Marcelo Espíndola
http://flamuseu.blogspot.com/

Warley Morbeck disse...

Marcelo, d minha parte sinta-se a vontade, já que o texto não é meu. Acredito que o autor não vá se importar. VAleu

Luís Eduardo disse...

Era um belo time que depois aplicou 4 no Santos também no Maraca.
Bebeto despontava como um craque...

SRN, Luís Eduardo
Blog Saudações Rubro-Negras- http://jlwrubronegros.blogspot.com/
Blog SRN no twitter: http://twitter.com/LuisSRN

Marcelo Espíndola disse...

Tomara que ele não se importe... hehehe
Valeu meu camarada!!!
Um grande abraço!

Cesar Abrantes disse...

Mt bom o texto...

Serve pra mostrar a todos para nunca subestimarem o Mengão.

SRN