Pesquise no Flamengo Eternamente

Pesquisa personalizada

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Resenha do livro 100 anos de bola, raça e paixão

          O livro 100 anos de bola, raça e paixão: a história do futebol do Flamengo, de Arturo Vaz, Celso Júnior e Paschoal Ambrósio Filho (Rio de Janeiro: Maqunária, 2012) é interessante para os rubro-negros de todas as gerações. Cada capítulo da obra trata de uma década da história do Mengão com linguagem clara e objetiva e trechos de artigos de jornal que mostram a linguagem da época retratada descrevendo lances, partidas e exaltando jogadores e técnicos marcantes da história do clube fazendo o leitor viajar no tempo. Destaco a seguir os pontos principais de cada capítulo.
       Foi muito legal ler sobre a importância de Alberto Borgerth e nomes como Baena, Nery, Amarante, Gallo, Gustavo, Lawrence, Píndaro, Arnaldo, Baiano para a fundação do futebol rubro-negro ao saírem do Flu no fim de 1911; muito bom saber mais sobre a disputa do primeiro carioca em 1912 com Gustavo de Carvalho marcando o primeiro gol rubro-negro em goleada de 15 a 2 contra o Mangueira e ter mais informações sobre a conquista dos primeiros títulos cariocas em 1914 e 1915.
      Adorei saber mais sobre a conquista do Campeonato Carioca de 1920 para impedir o tri carioca do Flu. Gostei de ler sobre o jogo em que o Flamengo quebrou o jejum de quatro anos sobre o rival com a vitória por 2 a 1 com os gols do Flamengo sendo marcados por Sidney Pullen e Junqueira com passe de Sidney. O livro também trata do bicampeonato carioca em 1921 e fiquei encantada com o desempenho de Nonô e Candiota no campeonato. Nonô também foi artilheiro do Flamengo em meados da década de 20 e na conquista do Carioca de 1925. Fiquei impressionada com a raça de Moderato na conquista dos campeonatos cariocas de 25 e 27.
       O livro trata com detalhes da complicada década de 1930. Ressalto o fim da década marcado pelas contratações de Domingos da Guia e Leônidas da Silva e a conquista do título carioca de 39.
          A década de 40 é marcada pela conquista do primeiro tricampeonato carioca (1942-1943-1944) com craques como Domingos da Guia (ate 43), Zizinho, Jaime, Biguá, Bria, Pirillo, Vevê e o herói Valido marcando o gol da vitória por 1 a 0 na final contra o Vasco na final do Campeonato Carioca de 44.
Na década de 50, cabe exaltar a conquista do segundo tricampeonato carioca (1953-1954-1955) e o time conhecido como “Rolo Compressor”, que contava com Garcia (Chamorro), Jadir, Pavão, Jordan, Dequinha, Rubens, Evaristo, Paulinho, Índio, Esquerdinha, Benitez, Zagallo, Dida. Evaristo marcou o gol da vitória no primeiro jogo da final do Campeonato de 55 contra o América; no segundo jogo o time rubro venceu por 5 a 1 e no terceiro jogo da decisão o Flamengo venceu por 4 a 1 com três gols de Dida e um de Duca.
Na década de 60, ressalto a conquista do Torneio Rio-São Paulo em 61 com craques como Joubert, Carlinhos, Gérson, Henrique, Dida o Mengão (competição na qual venceu a final contra o Corinthians por 2 a 0, gols de Dida e Joel); as conquistas dos Campeonatos Cariocas de 63 (marcada pelas defesas do goleiro rubro-negro Marcial no empate em 0 a 0 na final contra o Flu) e de 65 (ano em que o Flamengo foi campeão com uma rodada de antecedência ao vencer o Flu por 2 a 1, gols de Neves e Silva, o grande destaque rubro-negro na competição), que marcaram a infância de Zico e Junior; o início de Zico nas divisões de base do Mengão em 67; como o urubu virou símbolo do clube em um jogo contra o Bota em 69.
Na década de 70, são marcantes a estreia de Zico no time profissional do Flamengo em 1971; as conquistas do Carioca de 72 com craques como Liminha, Doval, Caio Cambalhota e Paulo Cesar Caju (com o Fla ganhando do Flu por 5 a 2 na final da Taça GB com um gol de Liminha, três gols de Caio e um de Doval e derrotando o Tricolor de novo na final do Campeonato por 2 a 0, gols de Doval e Caio) e do Carioca de 1974, o primeiro título de Zico e Júnior, Jaime e Geraldo como profissionais (a primeira conquista do Galinho como titular do time principal do Mengão)  com empate em 0 a 0 na final contra o Vasco; os primeiros passos da geração de ouro do fim dos anos 70 e início dos anos 80, a morte de Geraldo em 1976; o tri carioca de 78-79-79 Especial: o gol de Rondinelli na vitória por 1 a 0 na final contra o Vasco no Carioca de 1978, o brilho de craques como Zico, Júnior, Raul, Adílio, Uri Geller, Cláudio Adão, Carpeggiani e Tita. Houve dois campeonatos cariocas em 1979 e, em fase espetacular, o Mengão venceu ambas as competições. Na primeira, o Flamengo empatou com o Botafogo em 2 a 2 na final do Campeonato Especial com dois golaços de Zico. Na segunda, mesmo desfalcado do Galinho de Quintino, que não jogou o terceiro turno, o Flamengo venceu o Vasco por 3 a 2 com dois gols de Tita e um contra de Ivan, e empatou com o Botafogo em 0 a 0, sendo tricampeão carioca com uma rodada de antecedência.
Na década de 80, são fundamentais as conquistas do Campeonato Brasileiro de 80 (nas duras finais contra o Atlético Mineiro com derrota de 1 a 0 para o time mineiro com gol de Reinaldo no primeiro jogo no Mineirão e a eletrizante vitória rubro-negra por 3 a 2 no Maracanã com dois gols de Nunes e um de Zico para o Fla e dois gols de Reinaldo para os mineiros), a conquista da Libertadores em 81 (ao vencer o Cobreloa por 2 a 1 no Maracanã com dois gols de Zico no primeiro jogo, ao perder para o time chileno por 1 a 0 e sofrer com a violência do zagueiro Mário Soto na segunda partida e vencer o terceiro jogo por 2 a 0 com dois golaços de Zico , um de virada e outro de falta no terceiro jogo ), do Estadual no mesmo ano (vencendo o Vasco por 2 a 1 no terceiro jogo da final do Carioca com gols de Adílio e Nunes), a morte de Coutinho e a consagração com o título do Mundial em 81 derrotando o Liverpool por 3 a 0 com dois gols de Nunes e um de Adílio e grande atuação de Zico. Foi exatamente no início da década de 80 que escolhi ser Flamengo encantada com o timaço formado por: Raul, Leandro, Mozer, Marinho, Andrade, Adílio, Zico, Tita, Nunes e Lico.
Ressalto ainda a conquista dos Brasileiros de 82 (marcado por viradas épicas contra times como São Paulo, Inter destacadas no livro e pela a difícil decisão contra o Grêmio com empate em 1 a 1 no primeiro jogo com o gol rubro-negro sendo marcado por Zico, empate em 0 a 0 na segunda partida e vitória do Flamengo no terceiro jogo no Olímpico com vitória rubro-negra por 1 a 0 com gol de Nunes com passe de Zico) e de 83 (competição em que o Flamengo decidiu o título contra o Santos e perdeu o primeiro jogo da final no Morumbi por 2 a 1, mas brilhou no Maracanã ao vencer o time paulista por 3 a 0 com gols de Zico , Leandro e Adílio.
      Também foram marcantes a dor da torcida com a ida de Zico para Udinese em 83; a ida de Júnior para o Torino e a perda de Figueiredo em 1984, a volta de Zico e a grave contusão no joelho em 85; a luta do camisa 10 rubro-negro para voltar a jogar no Carioca de 1986 e a estreia no Campeonato com o Flamengo goleando o Flu por 4 a 1 com três gols de Zico e um de Bebeto. Começaram a aparecer novos talentos como Jorginho, Bebeto, Aldair, Zinho e Zé Carlos que juntamente com Leandro Andrade, Zico, Júlio César Barbosa e Sócrates levaram o Flamengo a conquistar o Campeonato Estadual de 86, derrotando o Vasco por 2 a 0 (gols de Bebeto e Júlio César Barbosa) na final. Vale lembrar que Zico ainda estava com problemas no joelho e jogou poucas vezes.
Em 87, o time (que agora também contava com Leonardo na lateral esquerda. Edinho e Renato Gaúcho) ganhou o Campeonato Brasileiro pela quarta vez ao derrotar o Atlético MG no primeiro jogo da semifinal por 1 a 0 no Maracanã (gol de Bebeto) e vencer no Mineirão por 3 a 2 (gols de Zico, Bebeto e Renato Gaúcho para o Flamengo e de Chiquinho e Sérgio Araújo para os mineiros) e empatar com o Inter em 1 a 1 no primeiro jogo da final no Beira Rio e vencer por 1 a 0 (gol de Bebeto) no segundo jogo no Maracanã.
    Júnior voltou da Itália em 1989 e passou a jogar no meio-campo. Em dezembro do mesmo ano Zico fez seu último jogo oficial pelo Fla em Juiz de Fora, O Fla derrotou o Flu por 5 a 0. O Galinho deixou sua marca: um gol de falta. No dia 6 de fevereiro de 1990, Zico fez sua despedida do Flamengo em linda festa no Maracanã.
     Em 90, o Mengo ganhou a Copa do Brasil pela primeira vez ao derrotar o Goiás por 1 a 0 (gol de Fernando).
       Em 91, com Gilmar no gol e contando com o talento de Marcelinho e Paulo Nunes e nomes como Charles Guerreiro, Gottardo, Junior Baiano, Piá, Nélio, Uidemar, Gaúcho e Zinho., o Fla conquistou o Campeonato Estadual, vencendo o Fluminense por 4 a 2 (gols de Uidemar, Gaúcho, Zinho e Júnior para o Mengão e Ézio para o Flu).O técnico era Carlinhos.
     No ano seguinte, também sob o comando de Carlinhos e com a liderança de Júnior, o Flamengo sagrou-se Pentacampeão brasileiro. A disputa do título foi contra o Botafogo e o Mengão venceu o primeiro jogo da final por 3 a 0 (gols de Júnior, Nélio e Gaúcho) e empatou o segundo em 2 a 2. (gols de Júnior e Júlio César para o Fla).
     Em 96, o Flamengo foi campeão estadual invicto. O time formado por Roger (Zé Carlos), Alcir (Zé Maria), Jorge Luís, Ronaldão, Gilberto, Mancuso, Márcio Costa, Nélio, Marques, Sávio e Romário ganhou os 2 turnos (conquistou a Taça Guanabara, vencendo o Vasco por 2 a 0 — gols de Romário e Sávio — e ganhou o segundo turno ao empatar com o Vasco em 0 a 0). Foi o quarto título estadual invicto da história do clube de maior torcida do país.
     Em 1999, o Flamengo ganhou a Taça Guanabara. O adversário foi Vasco, que tinha a vantagem do empate. Mas deu Mengão. Athirson — aproveitando o passe de Iranildo numa jogada que fez jus à tradição rubro-negra pela garra e categoria — abriu o placar no início do jogo e Romário ampliou com um belo gol de canhota minutos depois. O Vasco ainda diminuiu numa cabeçada de Odivan, mas o Mengão soube segurar o resultado. Mas a festa estava só começando: o Mengão conquistou o Campeonato Estadual, vencendo o Vasco, que tinha ganhado o segundo turno. No primeiro jogo, o resultado foi 1 a 1 graças ao gol de peixinho de Fábio Baiano e às defesas salvadoras do goleiro Clemer. No segundo jogo, Rodrigo Mendes cobrou bem a falta sofrida por Caio e fez o gol do título, deixando o goleiro Carlos Germano parado e a torcida rubro-negra enlouquecida. O técnico era Carlinhos.
      No fim do mesmo ano, o Flamengo ganhou a Copa Mercosul. As finais contra o Palmeiras foram pra lá de emocionantes, disputadas e com várias alterações de placar. Jogando com muita raça e sem se abater com a conturbada saída de Romário do clube, o Fla venceu o primeiro jogo por 4 a 3 — um gol de Juan, dois gols de Caio e um de Reinaldo para o Mengão e de Júnior Baiano, Asprilla e Paulo Nunes para o Palmeiras — e empatou o segundo em 3 a 3 — gols de Caio, Rodrigo Mendes e Lê para o Flamengo e dois gols de Arce e um de Paulo Nunes para o Palmeiras, dando ao Mengão mais um título internacional.
Em 2000, o Mengão venceu novamente o Campeonato Estadual. Nosso maior rival venceu a Taça Guanabara, mas o Flamengo se recuperou ¾ graças à volta de Carlinhos ao comando da equipe e à raça e à união do time ¾ e conquistou a Taça Rio ao vencer o Friburguense por 3 a 1. (Os gols do Fla foram marcados por Reinaldo, Athirson e Fábio Baiano.)
Nas finais, o rubro-negro derrotou os vascaínos por 3 a 0 ¾ gols de Athirson (em linda jogada) Fábio Baiano (de falta) e Beto (de cabeça) ¾ no primeiro jogo e por 2 a 1 no segundo ¾ gols de Viola para o adversário e de Reinaldo e Tuta para o Mengão em bela virada. Athirson, em grande forma, foi um lateral-esquerdo muito ofensivo, sendo o destaque do Flamengo no campeonato.
Em 2001, o Flamengo conquistou o quarto tricampeonato carioca da história do Clube. O Mengão ganhou a Taça Guanabara ao vencer o Fluminense nos pênaltis por 5 a 3 depois do empate em 1 a 1 no tempo regulamentar (gol de Reinaldo de falta para o Flamengo e de Marco Britto para o Fluminense). Reinaldo, Juan, Roma, Cássio em cobrança espírita (O goleiro tricolor Murilo defendeu, a bola tomou um efeito incrível e voltou para dentro do gol) e Beto marcaram para o Flamengo e Júlio Cesar pegou a cobrança de Marco Brito.
     A decisão do título carioca foi contra nosso eterno vice. No primeiro jogo, vitória vascaína por 2 a 1 (gols de Petkovic para o Flamengo e Viola e Juninho para o adversário). No segundo jogo, o Flamengo venceu por 3 a 1 em uma partida histórica e emocionante. Edílson abriu o placar com um gol de pênalti depois que Cássio foi derrubado na área. Juninho empatou ainda no primeiro tempo. Edílson marcou de cabeça o segundo gol do Flamengo após o drible e o cruzamento preciso de Petkovic. O terceiro gol (o do tricampeonato, já que o Mengão precisava vencer por dois gols de diferença para ficar com o título) foi marcado aos 43 minutos do segundo tempo numa cobrança de falta magistral de Petkovic no ângulo, à Zico. Espetacular!! Edilson foi o artilheiro da competição com 16 gols. O técnico era Zagallo.
            No mesmo ano, o Flamengo conquistou também a Copa dos Campeões, o dando ao clube o direito de disputar a Libertadores de 2002. Venceu o Bahia por 4 a 2 (dois gols de Reinaldo, um de Rocha e um de Edílson) e 2 a 0 (dois gols de Reinaldo). Empatou com o Cruzeiro em 0 a 0 no primeiro jogo e ganhou por 3 a 0 no segundo (gols de Petkovic, Edílson e Beto). O Mengão disputou o título com o São Paulo em duas partidas muito emocionantes. Na primeira, venceu por 5 a 3., Edílson marcou o primeiro gol do jogo. Luís Fabiano empatou para o São Paulo. Reinaldo desempatou para o Flamengo.. Beto marcou um golaço, ampliando o placar ainda no primeiro tempo. Na segunda etapa, Edílson fez 4 a 1. No entanto, o São Paulo reagiu e diminuiu com os gols de Rogério Pinheiro e Luís Fabiano. Mas o dia era mesmo de Edílson. O Capetinha deu um chutaço, que desviou em Rogério Pinheiro e entrou. No segundo jogo, o Fla perdeu por 3 a 2, mas levou o título graças ao saldo de gols. Kaká marcou o primeiro gol do São Paulo ainda no primeiro tempo. Juan empatou, ao marcar um gol de cabeça, aproveitando a cobrança de falta de Petkovic. Pet marcou um golaço de falta, virando o jogo. Quase no final, França ainda marcou os outros dois gols do São Paulo. Porém, a taça e a vaga na Libertadores ficaram com Flamengo.
          O livro destaca ainda a conquista do Carioca de 2004. O Flamengo conquistou a Taça GB, vencendo o Vasco por 2 a 0 na semifinal com grande atuação de Felipe, que marcou o primeiro e contribuiu juntamente com Zinho para o segundo gol, marcado por Henrique, e depois derrotando o Fluminense por 3 a 2 — gols de Fabiano Eller , Jean e Roger para o Fla e Antônio Carlos e Henrique (contra) para o Flu — na final, o que deu ao Fla a vaga na decisão contra o Vasco, que venceu a Taça Rio. Venceu o arquirrival ¾e eterno vice!¾ por 2 a 1 no primeiro jogo. Os gols rubro-negros foram marcados por Rafael e Fabiano Eller e Wescley descontou nos acréscimos. No segundo jogo, o Mengão tomou o gol logo no início, mas virou o placar com três gols do inspirado artilheiro Jean garantindo o título.
        Em 2006, o Flamengo conquistou a Copa do Brasil ao derrotar o Vasco na final. Venceu o primeiro jogo por 2 a 0 (um golaço de Obina no ângulo e outro de Luizão de cabeça, após cruzamento perfeito de Léo Moura) e o segundo por 1 a 0 (gol de Juan, aproveitando novo passe de Léo Moura ),fechando o caixão do hexa vice.
       Em 2007, o Mengão conquistou o 29º título carioca. Ganhou a Taça Guanabara, vencendo o Vasco nos pênaltis na semifinal após o empate em 1 a 1 (gol de Obina, que se machucou seriamente e ficou meses sem jogar) e o Madureira na final. Depois de perder o primeiro jogo por 1 a 0, o Flamengo venceu o segundo jogo por 4 a 1 (dois gols de Souza, um de Renato Augusto — um golaço — e outro de Renato Abreu. Decidiu o titulo contra o Botafogo em dois empates eletrizantes em 2 a 2. No primeiro jogo da final, o Botafogo começou vencendo por 2 a 0 (gols de Lúcio Flávio e Dodô), mas o Fla empatou no segundo tempo (gols de Renato e Souza). Na grande final, o Mengão saiu na frente com Souza, o Botafogo fez 2 a 1, mas Renato Augusto acertou uma bomba de fora da área e empatou com um golaço, levando a decisão para os pênaltis. O goleiro Bruno foi o grande herói da decisão ao defender duas cobranças do time alvinegro e Léo Moura acertou o último pênalti, levando a taça para a Gávea.
O Mengão venceu a Taça Guanabara de 2008. Depois de derrotar nosso eterno vice por 2 a 1 de virada (gols de Fábio Luciano e Ronaldo Angelim) na semifinal, o Flamengo bateu o Botafogo também por 2 a 1 em um jogo emocionante e marcado por expulsões. O time alvinegro saiu na frente, mas o Flamengo empatou com um gol de pênalti cobrado por Ibson, já que Fábio Luciano foi claramente agarrado na área. O Fla virou o jogo com um golaço de Diego Tardelli. O Botafogo ainda meteu uma bola na trave no fim da partida, garantindo ao Mengão a conquista da taça GB.
      O Botafogo venceu a Taça Rio e decidiu o titulo carioca com o Flamengo. O Mengão venceu o primeiro jogo da final por 1 a 0, gol de Obina após passe de Tardelli no fim do segundo tempo. No segundo jogo da decisão o Mengão ganhou por 3 a 1. O alvinegro saiu na frente depois do frango de Bruno na cobrança de falta de Lúcio Flávio, mas no segundo tempo, com a entrada de Obina e Diego Tardelli, o Mengo, melhor em campo, virou o jogo. Obina empatou de cabeça após a cobrança de falta de Juan. Em bela jogada do lateral esquerdo Juan, Diego Tardelli desempatou e no fim do jogo ainda deu passe para Obina fazer mais um, coroando o bicampeonato carioca e fazendo o Mengão conquistar o 30º título carioca de sua história e se igualar ao Flu em número de títulos estaduais.
Em 2009, o Flamengo venceu a Taça Rio derrotando o Botafogo por 1 a 0 com gol contra do zagueiro alvinegro Emerson e decidiu o campeonato contra o próprio Bota, vencedor da Taça GB. O primeiro jogo da final do Carioca de 2009 foi emocionante: 2 a 2. O Mengão saiu na frente com o pênalti cobrado por Juan, o Bota empatou na cobrança de falta de Juninho. Reinaldo virou o jogo e o Mengão empatou na raça (Willians chutou e Emerson mais uma vez fez gol contra). O Mengão conquistou o quinto tricampeonato carioca da história vitoriosa do clube (2007-2008-2009), ao vencer o alvinegro pelo terceiro ano seguido. Num jogo emocionante e digno de uma final, Flamengo e Bota empataram novamente em 2 a 2. Klebérson fez 2 a 0 para o Mengão (marcando um gol de cabeça e um golaço de fora da área!) no primeiro tempo, mas o Bota reagiu e empatou o jogo, levando a decisão para os pênaltis. O goleiro Bruno foi o grande herói da final, já que além de pegar um pênalti no tempo normal ainda defendeu duas cobranças do time alvinegro na decisão por pênaltis. Léo Moura acertou a quarta cobrança, levando a taça para a Gávea. Assim, o Mengão conquistou seu 31º título carioca e superou o Flu em número de títulos estaduais.
A maior alegria do ano de 2009 veio com o Hexacampeonato Brasileiro 17 anos depois do Penta! Contando com atuações brilhantes de Petkovic e o faro de gol de Adriano, que voltaram ao Flamengo, e também com Bruno, Léo Moura, Everton (Juan), Ronaldo Angelim, Maldonado e Zé Roberto, sob o comando de Andrade ,o Flamengo saiu do 11 º lugar e , numa arrancada espetacular, venceu doze jogos, empatou quatro e perdeu apenas um, derrotando vários adversários inclusive em clássicos  contra Santos, São Paulo, Palmeiras. No jogo contra o Palmeiras no Parque Antártica, o Pet teve uma atuação extraordinária, marcando dois gols. O primeiro foi um gol de placa: após a tabela com Juan, Pet driblou dois jogadores, trocou a bola de pé e chutou no ângulo de Marcos. O segundo foi um gol olímpico.
No jogo contra o Atlético-MG, Pet repetiu a dose. O Mengão conquistou uma vitória sensacional em pleno Mineirão lotado. Pet marcou um lindo gol olímpico. Maldonado marcou seu primeiro gol com o Manto, fazendo 2 a 0. O Atlético diminuiu com Ricardinho, pressionou, mas o Imperador fez o terceiro gol de cabeça e garantiu a importante vitória rubro-negra. Na penúltima rodada, o Flamengo derrotou o Corinthians por 2 a 1 (gols de Zé Roberto e Léo Moura).
Na partida final, Pet também se destacou. Foi um sufoco como sempre acontece em jogos decisivos contra o Grêmio. O Flamengo entrou em campo lento e tenso demais e os reservas do tricolor gaúcho acabaram saindo na frente com o gol marcado por Roberson, aumentando a tensão da maior torcida do mundo, que lotou o Maraca e o coloriu de vermelho e preto. O Mengão empatou com um gol do zagueiro David Braz ainda no primeiro tempo, e na etapa final o Mengão virou o jogo. O genial Petkovic cobrou o escanteio com perfeição e colocou a bola na cabeça de Ronaldo Angelim, que marcou o gol do título.
        O livro também trata da conquista invicta do título do Campeonato Carioca de 2011 com o Flamengo contando com jogadores como o goleiro Felipe, Angelim, Willians, Thiago Neves e Ronaldinho Gaúcho. Depois de empatar com o Botafogo por 1 a 1 na semifinal da Taça GB em 1 a 1 (com gol de Ronaldo Angelim para o Fla após cruzamento de Thiago Neves e ganhar a vaga na final nos pênaltis com grande atuação de Felipe, que pegou dois pênaltis), o Flamengo enfrentou o Boavista na decisão e conquistou a Taça GB ganhando o jogo por 1 a 0 com um golaço de falta de Ronaldinho Gaúcho. Na Taça Rio, o Flamengo empatou em 1 a 1 na semifinal (gols de Rafael Moura abrindo o placar para o Flu e Thiago Neves para o Fla), levando a decisão da vaga na final para os pênaltis. O Flamengo venceu por 5 a 4 e conquistou a vaga na final do turno com o Vasco. O jogo entre Mengão e nosso eterno vice acabou empatado em 0 a 0. O jogo foi decidido nos pênaltis. O Vasco errou três cobranças e o Flamengo uma. Thiago Neves acertou a última cobrança e garantiu o título rubro-negro.
       O livro vai até 2012 e relembra o jogo memorável entre Flamengo e Santos pelo Brasileiro daquele ano. O Santos saiu na frente com dois gols de Borges e um golaço de Neymar. O Flamengo reagiu com um gol de Ronaldinho após cruzamento de Luiz Antônio e outro de Thiago Neves aproveitando cruzamento de Léo Moura. Deivid empatou o jogo: 3 a 3. No segundo tempo. Neymar fez mais um. No segundo tempo, Ronaldinho desempatou com cobrança de falta rasteira magistral enganando a barreira santista e após receber belo passe de Thiago neves ainda fez o gol da vitória rubro-negra por 5 a 4. Virada mágica e histórica!
     Frases de nomes como Mário Filho, Nelson Rodrigues, Bussunda, José Lins do Rego, Artur da Távola e Lamartine Babo exaltando o Flamengo fecham cada capítulo do livro.
        A obra apresenta ainda fichas sobre os cem maiores jogadores da história do Mengão e uma lista dos cem grandes jogos da história do Clube.
     O livro tem ainda um ótimo projeto gráfico com ilustrações e fotos de qualidade de técnicos, jogadores, torcedores e todos os times campeões pelo Flamengo. Gostei muito dos quadrinhos de Marcos Costa representando o gol decisivo de Nunes contra o Atlético-MG na final do Brasileiro de 1980 e o gol do Pet que deu ao Mengão o tri carioca em 2001.

        Fruto de uma pesquisa séria e criteriosa dos autores, esse livro não pode faltar na biblioteca de qualquer flamenguista que queira informar-se sobre a história de seu clube de coração.

3 comentários:

Paschoal Ambrósio Filho disse...

Muito obrigado pela gentileza, Renata! É muito bom quando o nosso trabalho é reconhecido. SRN.

Renata Christovão Bottino disse...

De nada. Seu livro é uma ótima fonte de pesquisa. SRN e um abraço, Renata.

Paschoal Ambrósio Filho disse...

Pena que o Flamengo não reconhece ou não valoriza aqueles que pesquisam sua história, buscando preservar a sua memória.