Pesquise no Flamengo Eternamente

Pesquisa personalizada

domingo, 21 de setembro de 2008

Mário Filho: “O Criador de Multidões”

Mário Filho: “O Criador de Multidões”
por Marco Santos *

Marco SantosNo Rio de Janeiro, dia de jogo é “dia de Maracanã”. Mas, infelizmente, nem todo mundo sabe que o verdadeiro nome do Maracanã é Estádio Jornalista Mário Filho. E mesmo entre os que sabem, há generalizadamente uma pergunta que não quer calar: “Quem foi esse Mário Filho?”

Tivemos num país em que História é “coisa de museu”, coisa de “quem vive de passado”, como se costuma dizer pejorativamente. E daí, tome de repetir alguns erros, como um estudante que não aprende a lição. Quem despreza o seu passado, se perde no presente e não constrói o seu futuro, é o que eu sempre digo. O Maracanã tem o nome de Mário Filho porque se não fosse Mário Filho não haveria Maracanã.

Mário Rodrigues Filho era pernambucano de nascimento (Recife, 3/6/1908), mas tornou-se um carioca legítimo, assim como seu irmão Nelson, teatrólogo e jornalista. Mario Filho veio para o Rio com toda a família, quando tinha oito anos. Seu pai foi dono de jornal, onde os filhos começaram no ofício. Primeiro em A Manhã e depois em A Crítica. Neste último, Mário Filho já escrevia sobre esportes, especialmente sobre futebol, em estilo revolucionário para a época (fim dos anos 20 do século passado). Sua paixão futebolística o levou a fundar, em 1931, o jornal O Mundo Esportivo, considerado como o primeiro jornal exclusivamente dedicado ao esporte no mundo. Foi nesse jornal que Mário Filho criou o concurso de escolas de samba, em 1932, desfile que hoje é tido como a maior ópera aberta do planeta.

Quatro anos depois, comprou o Jornal dos Sports, do empresário Roberto Marinho. Neste veículo, ele criou os Jogos da Primavera e o Torneio Rio-São Paulo. Quando o Brasil foi escolhido pra ser a sede da Copa do Mundo de 1950, decidiu-se que seria construído um novo estádio na então capital do país. Dois vereadores udenistas - Carlos Lacerda e Ary Barroso - se posicionaram apontando o distante bairro de Jacarepaguá como o local ideal para a instalação da nova praça de esportes. Mário Filho foi contra. Segundo ele, o antigo Derby-Club era o lugar perfeito para o estádio. E, dizia ele, teria que ser o “maior do mundo”, com capacidade para mais de 150.000 pessoas. Não era uma tarefa fácil debater com dois gigantes da tribuna e das comunicações como Lacerda e Ary. Mas Mário Filho conseguiu convencer a opinião pública, apontando o fato de ali ter várias linhas de ônibus e estação de trem, o que facilitaria bastante a chegada e saída dos torcedores.

Os dois vereadores da UDN contra-argumentaram que o entorno do Derby-Club já estava ocupado e que em breve não haveria terreno disponível para o estádio crescer e no futuro a área ficaria congestionada de construções, ao contrário de Jacarepaguá, com muitas áreas livres. A municipalidade - leia-se prefeito Ângelo Mendes de Morais - bateu o martelo e as obras se iniciaram em 2 de agosto de 1948, no antigo Derby, às margens do Rio Maracanã (nome em tupi-guarani que significa “igual a um chocalho” e também nome de uma ave da família dos periquitos e papagaios).

Não havia um dia sequer que Mário Filho não fosse acompanhar a construção, fiscalizando, animando, pedindo pressa, alertando que o gigante de concreto deveria estar de pé antes do início da Copa. E em 16 de junho de 1950, Mário Filho se emocionava com a inauguração do “Maior Estádio do Mundo”.

Mário Filho era torcedor do Fluminense, como toda a sua família. Mas na década de 1950 afirmou que não torceria por clube algum para ser mais imparcial nas suas análises. Esta isenção o levou a escrever um livro contando a história do Club de Regatas do Flamengo, time de maior torcida no país. Pesquisador minucioso, escreveu um livro seminal chamado “O Negro no Futebol Brasileiro”, onde provou que os primeiros jogadores da raça negra não foram do Vasco da Gama, como se acreditava à época.

Mário Filho era um grande admirador de Pelé e sobre ele escreveu “Viagem em torno de Pelé”, livro admirável, uma verdadeira ode ao maior atleta do Século. À Mário também é atribuída a criação do termo “Fla-Flu”, clássico que era o seu preferido. Disse seu irmão, Nelson Rodrigues, que Mário Filho foi “o criador de multidões”, pela forma apaixonada com que ele se referia aos jogos entre o clube da Gávea e o das Laranjeiras.

Em 17 de setembro de 1966, o coração que amava os esportes deixou de bater, fulminado por um ataque cardíaco. Tempos depois, o radialista Waldir Amaral comandou pela Rádio Globo uma campanha para que o Estádio Municipal do Maracanã recebesse o nome de seu grande estimulador. Cada pilastra do “Templo do Futebol” pulsa reverenciando quem lhe criou a mística. E as multidões que desfilam por aquele chão de pedra também celebram, mesmo sem saber, o amor de um jornalista pelo esporte.

* Marco foi responsável pela pesquisa da peça “Na Era do Rádio”, é autor do livro Popularíssimo (história de um dos mais populares autores de teatro do Brasil - Brandão, pai do ator e comediante e Brandão Filho) - popularissimo@gmail.com - e responsável pelo blog Antigas Ternuras.


Dica: Kid Ferreira

9 comentários:

vôo do urubu disse...

O texto do Mario Filho é da altura do de seu irmão, Nelson Rodrigues. Ambos escreveram sobre o Flamengo com a paixão q se deve ter para tal encargo.

Saudações rubronegras!

Warley Morbeck disse...

São duas figuras que ajudaram, e muito, a criar a magia do futebol.

Rui Moura disse...

Warley, já manifestei que não gosto do que Nelson Rodrigues escrevia - a forma era boa, mas o conteúdo não era real. Como enxergava muito mal inventava histórias inverosímeis. Porém, Mário Filho era absolutamente notável em tudo o que escrevia, e isento. Não foi somente sobre o Flamengo que ele escreveu histórias maravilhosas e rigorosamente interpretadas. Considero que o texto mais extraordinário escrito sobre o meu Botafogo foi o "Capa-e-Espada" da autoria precisamente do rubro-negro Mário Filho. Esse texto sim, interpreta rigorosamente o Botafogo tal e qual era e é.

Para mim, Mário Filho é como Garrincha: PATRIMÓNIO MUNDIAL!!!

(só tinha um pequenino defeito: era rubro-negro... rsrsrs...)

Saudações esportivas

Fc do Cesão / Jack disse...

Com fé em Deus, hoje vamos vencer... vamos conseguir!! \o/

sobreofutebolcarioca disse...

Hoje o flamengo tem que ganhar do Ipatinga, mas eu acredito que ganhe.
e vai ganhar muito bem.

pra cima do ipatinga flamengo

Vinicius Grissi disse...

Não conhecia a história do Mário Filho. Bela, por sinal. Assim como o post, muito bom.

KID disse...

Warley, o Mário Filho deu o nome FlaxFlu como o ter de ¨clássicos das multidões¨, foi mais para agradar o Nelson. Na verdade, FlamengoxVasco já era considerado o clássico das multidões. Até os dias de hoje. Isto, se o Vasco não vir a falir. Hehehehehe

Pâm SãoPauliNa-RP disse...

Achei que tinha se esquecido de mim =D

Beijos
=D

newsfut disse...

Conhecia um pouco da história do estádio, mas esse belo texto serviu ainda mais para eu aumentar meu conhecimento.

Concordo com você quando diz que a História nesse país não é valorizada. É uma vergonha que as pessoas frequentem um lugar como o Maracanã e muitos não saibam nem que seu nome é Mario Filho. Bela iniciativa sua de publicar esse texto.

vlw abs