Pesquise no Flamengo Eternamente

Pesquisa personalizada

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Torcidas de Flamengo e Vasco cantam juntas o adeus a Senna

A mais eloqüente das homenagens ao piloto Ayrton Senna aconteceu no Maracanã. Era dia de clássico - Vasco e Flamengo. A morte de Senna uniu as torcidas rivais. Antes do início da partida, determinou-se o tradicional minuto de silêncio, que, talvez pela primeira vez, foi cumprido por todos os torcedores. Encerrado o prazo, o maior estádio do mundo foi tomado por um coro eletrizante de 100.000 pessoas, que agitavam os braços e entoavam: "Olê, olê, olê, olá/Senna, Senna". "Eu tinha certeza de que haveria uma reação como aquela", diz o zagueiro Ricardo Rocha, do Vasco e da seleção brasileira. "Ele não era ídolo apenas aqui. Quando Senna deu o pontapé inicial da partida da seleção contra o Paris Saint-Germain, a torcida francesa inteira o aplaudiu, e veja que ele estava na casa de Prost que foi seu grande adversário." Segundo Rocha, na preleção antes do jogo, no vestiário, o assunto dominante não era a vitória fundamental para a equipe na partida que começaria dali a pouco. Os jogadores e a comissão técnica não conseguiam parar de comentar a morte de um ídolo. "Fórmula 1 não é esporte. Esporte é saúde, não mata", desabafou o zagueiro. Outras torcidas arquiinimigas também se conciliaram na dor na hora de gritar o nome de Senna. Aconteceu no Mineirão, antes do jogo Atlético e Cruzeiro. Aconteceu no Recife, onde se enfrentaram Santa Cruz e Sport. No Morumbi, onde o Palmeiras enfrentou o São Paulo, Gilmar, o zagueiro são-paulino, ajoelhou-se no gramado durante o minuto de silêncio e chorou muito.

3 comentários:

Marcelo Espíndola disse...

Eu estava lá.
Triste demais.
O Jogo foi 1x1.
Uma semana antes Denner havia morrido.

Vinha disse...

Sim, eu estava lá, aliás eu me lembro MUITO bem desse jogo, eu desci o prédio da casa da minha mãe, ela me chamou na janela e falou, olha, tá confirmado, o Senna morreu... cara fui sem o menor tesão pela primeira vez na vida p/ o Maracanã. Quando as torcidas começaram... Ole, ole ole olá Sennaaaa, Sennaaaa... não vi uma só pessoa sem chorar. Foi muito emocionante.

Warley Morbeck disse...

Vocês poderiam escrever um breve relato daquela tarde?