Pesquise no Flamengo Eternamente

Pesquisa personalizada

quarta-feira, 9 de março de 2016

A conquista da Libertadores

            Ganhar a Libertadores de 1981 não foi nada fácil nem para o time espetacular do Mengão que contava com o talento de Raul (Cantareli), Leandro (Nei Dias), Marinho (Rondinelli) (Figueiredo), Mozer, Junior, Andrade (Vitor), Adílio, Tita (Chiquinho), Nunes e Lico (Baroninho). Na primeira fase, o Mengão jogou contra Atlético-MG, Cerro Porteño e Olímpia. O lateral direito Carlos Alberto, o atacante Peu também jogaram assim como Fumanchu e Anselmo. Andrade e Vítor atuaram juntos no meio campo ao lado de Zico na primeira partida da competição sul-americana. Baroninho foi titular na maioria das partidas da Libertadores até a fase semifinal da competição. Mesmo só tendo sido titular na competição em dois jogos da decisão contra o Cobreloa, Lico foi um jogador fundamental para a conquista da Libertadores junto com os outros jogadores citados acima , já que atuou bem nas partidas em que entrou, era habilidoso e inteligente  e tinha  grande consciência tática A diferença do papel tático exercido por Lico e Baroninho e a importância de Lico no esquema tático e na posse de bola time do Flamengo no início da década  de 1980 serão explicadas no texto sobre a conquista do Campeonato Estadual de 1981 na coluna da próxima semana.
Na estreia contra o rival mineiro, empate em 2 a 2 no Mineirão. O Atlético fez 2 a 0, mas Nunes e Marinho marcaram para o Mengão evitando a derrota.  
No primeiro jogo em casa contra o Cerro, o Mengão venceu por 5 a 2 Zico abriu o placar em bela cobrança de falta e fez o segundo gol rubro-negro, de pênalti. Baroninho marcou o terceiro e Nunes fez dois gols: um de cabeça e outro após linda troca de passes entre Zico, Baroninho e Junior.
O Flamengo empatou com o Olímpia em 1 a 1 (gol de Adílio para o Mengão) e novamente com o Atlético em 2 a 2. O time mineiro saiu na frente com Palhinha. Junior fez linda jogada e passou a bola para Zico, que anarquizou a defesa adversária em lance de gênio e cruzou. João Leite soltou a bola na área e Nunes aproveitou e empatou a partida. Tita virou o jogo para o Fla, mas Reinaldo empatou.
No jogo contra o Cerro Porteño no Paraguai, o Mengão venceu por 4 a 2 e  dominou  a partida. O camisa 10 da Gávea foi decisivo como sempre. O Galinho deu passe para Baroninho abrir o placar. Zico marcou três golaços: um por cobertura depois de driblar dois adversários, outro de sem-pulo após receber passe de Tita e o quarto gol rubro-negro em tabela com Adílio.
Na partida seguinte, o Flamengo empatou em 0 a 0 com o Olímpia e houve a necessidade de um jogo extra conta o Atlético Mineiro para decidir quem se classificaria para a próxima fase da competição sul-americana. No Serra Dourada, o jogo foi tenso e violento e  Flamengo e Atlético empataram em 0 a 0 numa partida em que vários jogadores do Atlético foram expulsos. Reinaldo fez falta em Zico e levou cartão vermelho. Houve uma falta a favor do time mineiro e Éder, que já tinha levado cartão amarelo por ter feito falta em Leandro, correu para pegar a bola e esbarrou no juiz José Roberto Wright. Quando o juiz  tentava colocar a bola no lugar correto para cobrança, Éder voltou a esbarrar em Wright, empurrando o peito do árbitro e foi expulso. .  O banco, a comissão técnica e cartolas do time mineiro invadiram o campo para reclamar das expulsões, criando uma confusão generalizada. O jogo foi paralisado aos 33 minutos . Chicão e Palhinha provocaram suas expulsões. Depois de mais de meia hora  de interrupção, o juiz reiniciou a partida, mas  o goleiro João Leite  simulou uma contusão e também foi expulso, deixando o Atlético com seis jogadores e por isso o jogo teve que acabar. Mesmo com a interrupção da partida com o placar de 0 a 0, o Comitê Executivo da Confederação Sul-Americana de Futebol considerou o Flamengo vencedor da partida pelo placar simbólico de 1 a 0 por não ter causado a confusão e o time rubro-negro,se garantiu nas semifinais.
Em grande jogada de Junior, Nunes marcou o gol da vitória rubro-negra por 1 a 0 contra o Deportivo Cáli. Foi nessa partida que Lico saiu do banco e entrou em campo pela primeira vez na competição, substituindo Nunes, que se machucou No jogo contra o Jorge Wilstermann na Bolívia, o Flamengo venceu por 2 a 1. O Mengão saiu na frente com Baroninho, os bolivianos empataram e Adílio marcou de cabeça. Vale ressaltar que Lico também jogou   nesta partida, substituindo Baroninho e atuou muito bem, ajudando na defesa e na armação de jogadas. Zico, Adílio, Lico e Baroninho foram os melhores em campo neste jogo. Na partida de volta contra o time colombiano, Leandro cruzou com perfeição e Zicão matou no peito e marcou o primeiro gol rubro-negro. Chiquinho ampliou e o Galinho de Quintino fez mais um gol de falta. Na partida seguinte, mesmo sem Zico, o Flamengo goleou o Jorge Wilstermann por 4 a 1 (dois gols de Chiquinho, um de Adílio e um de Anselmo).Nesse jogo,, Lico entrou em campo no decorrer da partida no lugar de Júnior.
            Nas finais, o  Mengão enfrentou o violento time do Cobreloa em três jogos. Lico atuou como titular no lugar de Baroninho nas duas primeiras partidas da final. No primeiro jogo, o Mengão ganhou por 2 a 1 no Maracanã com dois gols de Zico. No primeiro gol, Adílio e o camisa 10 da Gávea tabelaram e o capitão rubro-negro abriu o placar. No segundo, Zico cobrou bem o pênalti sofrido por Lico. Os chilenos diminuíram também de pênalti. O jogo no Chile foi mais duro ainda que a partida de ida. O zagueiro Mário Soto feriu Adílio e Lico com pedras na mão e o Flamengo perdeu por 1 a 0 com gol contra de Leandro , num lance infeliz em que bola bateu sem querer no grande lateral e entrou no gol rubro-negro, forçando a realização de uma partida extra em Montevidéu. Não podendo contar com  Lico, que ainda estava se recuperando  das agressões covardes sofridas no jogo em Santiago e nem com  Figueiredo e Vítor, que estavam contundidos, o técnico Carpegianni , sabendo que o Cobreloa colocaria dois jogadores em cima dos zagueiros do Fla,  preferiu não escalar Baroninho, mas sim deslocar  Leandro para o meio atuando como volante junto com Andrade  para reforçar a marcação e ter dois jogadores protegendo a zaga rubro-negra. Por isso, o Mengão entrou em campo para a grande decisão da Libertadores no Estádio Centenário no dia 23 de novembro de 1981 com Raul, Nei Dias, Marinho, Mozer, Júnior, Leandro, Andrade, Zico , Tita Nunes (Anselmo ) e Adílio.  O Flamengo venceu o Cobreloa  por 2 a 0 ..Zico abriu o placar com um lindo gol de  virada em bela jogada com Adílio e que mostra toda a categoria do timaço rubro-negro. O jogador do Cobreloa Alárcon foi expulso por falta duríssima e desleal em Andrade. Depois que Júnior recebeu entrada muito dura de Jimenez, Andrade perdeu a cabeça e deu um pontapé nesse mesmo jogador do Cobreloa., mas reconheceu o erro e se desculpou com os companheiros e o técnico no intervalo.  Júnior evitou o gol de empate do time chileno tirando a bola em cima da linha.  No segundo tempo, Zico fez um golaço numa cobrança de falta magistral que  garantiu o  título da Libertadores e coroou a campanha de uma equipe de futebol envolvente e de raça que conquistou a América.  Depois que a conquista da principal competição sul-americana já estava assegurada, Anselmo entrou no lugar de Nunes para dar um soco em Mário Soto e vingar a violência chilena contra o time do Flamengo e  foi expulso assim como o próprio Mário Soto e Jimenez. Acho sinceramente que a maior vingança contra o Cobreloa foi o timaço do Mengão ter vencido a Libertadores com a qualidade técnica ,a  raça e o genial toque de bola que o caracterizavam, mostrando o trunfo do futebol bem jogado e trabalhado com esses atributos contra a violência chilena. Zico foi artilheiro da competição com 11 gols.
        No ano inesquecível de 1981, o Flamengo também conquistou outros dois títulos importantes como relembrarei nas próximas colunas.

Fontes:
Assaf, Roberto, Garcia, Roger e Coimbra, Arthur Antunes. Zico: 50 anos de futebol. Rio de Janeiro: Record, 2003.
      ————---e Martins, Clóvis. Almanaque do Flamengo. São Paulo. Editora Abril: 2001.
       Rocha, André e Beting, Mauro. 1981: Como um craque idolatrado, um time fantástico e uma torcida inigualável fizeram o Flamengo ganhar tantos títulos e conquistar o mundo em um só ano. Rio de Janeiro: Maquinária, Editora. 2011.
          Vaz, Arturo, Júnior, Celso e  Filho, Paschoal Ambrósio. 100 anos de bola, raça e paixão: a história do futebol do Flamengo. Rio de Janeiro: Maquinária Editora: 2012.

3 comentários:

Anônimo disse...

Boa tarde, nação rubro-negra;
Tinhamos o maior e melhor time do Brasil.BONS TEMPOS.
Mas assistindo ontem, 09/03/2016, ao jogo do Flamengo contra o Figueirense algumas reflexões me vieram à cabeça.
a - Por que o Guerrero joga isolado lá na frente?
b - O Sheyk e Cirino fazem o que em campo?
c - E esse lateralzinho Jorge, deve ser o João Cansado. Marca muito mal e apoia pior ainda.
d - E no meio de campo quem cria alguma jogada ofensiva?
e - É proibido o lateral Rodinei atacar?
VAMOS PENAR MUITO NO CAMPEONATO BRASILEIRO.

Anônimo disse...

bom dia irmãos rubro-negros;
ontem, dia 13/03/2016, estive asssistindo ao programa do Renato Mauricio Prado (AUP) onde foi questionado, por um telespectador, se o time do Flamengo tem condições de chegar a Libertadores e, quem sabe, ao título do campeonato brasileiro. E, para minha surpresa, todos os especialistas concordam que o Flamengo tem chances reais.
Não acredito nesta hipotese. Estarei sendo muito pessimista? Por que o futebol demonstrado pelo time nesse inicio de ano é desanimador.
Só para usar como comparação o Corinthians de Tite, que vendeu alguns atletas(sendo alguns muito importantes no elenco campeão, sobrando apenas o Elias) e com os novos contratados já demontra estilo de jogo.
E no Flamengo o que vemos?
O mesmo estilo modorrento de jogo. marcando muito mal, lento para sair para o ataque, meio campo sem criatividade alguma e atacantes paradões lá na frente (Guerrero, Sheyk e Cirino).
Não sou alarmista para achar que corremos risco de queda, mas, o Flamengo vai continuar entrando e saindo dos Campeonatos Brasileiros, entra ano e sai ano, sem almejar grandes conquistas?
Para mim isso é muito frustrante.
Mais frustrante ainda por saber que no papel o elenco é igual ou melhor à maioria dos clubes da Série A.
Mais se o elenco é melhor como explicar, no ultimo campeonato brasileiro, o clube ter ficado atras de "potencias" como Sport, Ponte Preta, Atlético PR e outras "máquinas de futebol" que jogam o Brasileirão.
Realmente não sei como fazer, mas, o futebol do Flamengo tem que evoluir.

Renata Christovão Bottino disse...

Obrigada pelos comentários e por lerem o Blog Flamengo Eternamente,
O timaço do Mengão levou o Flamengo na década de 1980 levou o Mengão a grandes conquistas, como estou relembrando esse mês.
Concordo que o Flamengo ainda tem que melhorar muito, mas espero que Muricy e os jogadores consigam fazer o Mengão evoluir e conquistar algum título esse ano.
SRN e continuem lendo nossas postagens e deixando seus comentários aqui no blog , Renata